Ideias e Cidades


Governo reduz imposto para segurar preço da gasolina e do diesel

 

Segundo o Ministério da Fazenda, redução da Cide vai neutralizar o custo e manter o preço ao consumidor

 Etanol sobe em postos de 14 estados

 Petrobrás confirma reajuste de 10% na refinaria

 Cide é usada para fazer superávit primário



Escrito por Marta Martinz às 22h09
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




 

Governo alemão é acusado de criar vírus para espionar usuários

Hackers descobrem cavalo de Troia que poderia ativar câmeras e registrar ações nos navegadores Leia mais

 



Escrito por Marta Martinz às 22h07
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Sucking Out Our Brains Through Our Eyes

Advertising trashes our happiness and trashes the planet. And my income depends on it.

By George Monbiot. Published in the Guardian 24th October 2011

We think we know who the enemies are: banks, big business, lobbyists, the politicians who exist to appease them. But somehow the sector which stitches this system of hypercapitalism together gets overlooked. That seems strange when you consider how pervasive it is. In fact you can probably see it right now. It is everywhere, yet we see without seeing, without understanding the role that it plays in our lives.

I am talking about the industry whose output frames this column and pays for it: advertising. For obvious reasons, it is seldom confronted by either the newspapers or the broadcasters.

The problem was laid out by Rory Sutherland, when he was president of the Institute of Practitioners in Advertising. Marketing, he argued, is either ineffectual or it “raises enormous ethical questions every day”. With admirable if disturbing candour he concluded that “I would rather be thought of as evil than useless.”(1) A new report by the Public Interest Research Centre and WWF opens up the discussion he appears to invite. Think of Me as Evil? asks the ethical questions that most of the media ignore(2).

Advertising claims to enhance our choice, but it offers us little choice about whether we see and hear it, and ever less choice about whether we respond to it. Since Edward Bernays began to apply the findings of his uncle Sigmund Freud, advertisers have been developing sophisticated means of overcoming our defences(3). In public they insist that if we become informed consumers and school our children in media literacy we have nothing to fear from their attempts at persuasion. In private they employ neurobiologists to find ever more ingenious methods of bypassing the conscious mind.

Pervasiveness and repetition act like a battering ram against our minds. The first time we see an advertisement, we are likely to be aware of what it’s telling us and what it is encouraging us to buy. From then on, we process it passively, absorbing its imagery and messages without contesting them, as we are no longer fully switched on. Brands and memes then become linked in ways our conscious minds fail to detect. As a report by the progressive thinktank Compass explains, the messages used by advertisers are designed to trigger emotional rather than rational responses(4). The low attention processing model developed by Robert Heath at the University of Bath shows how, in a crowded advertising market, passive and implicit learning become the key drivers of emotional attachment(5). They are particularly powerful among children, as the pre-frontal cortex – which helps us to interpret and analyse what we see – is not yet fully developed.

Advertising agencies build on this knowledge to minimise opportunities for the rational mind to intervene in choice. The research company TwoMinds, which has worked for Betfair, the drinks company Diageo, Mars, Nationwide and Waitrose, seeks to “uncover a layer of behavioural drivers that have previously remained elusive”(6). New developments in neurobiology have allowed it to home in on “intuitive judgements” that “are made instantaneously and with little or no apparent conscious effort on the part of consumers – at point of purchase”(7).

The power and pervasiveness of advertising helps to explain, I believe, the remarkable figure I stumbled across last week while reading the latest government spreadsheet on household spending. Households in the UK put an average of just £5.70 a week, or £296 a year, into savings and investments(8). Academic research suggests a link between advertising and both consumer debt and the number of hours we work(9,10,11). People who watch a lot of advertisements appear to save less, spend more and use more of their time working to meet their rising material aspirations. All three outcomes can have terrible impacts on family life. They also change the character of the nation. Burdened by debt, without savings, we are less free, less resilient, less able to stand up to those who bully us.

Invention is the mother of necessity. To keep their markets growing, companies must keep persuading us that we have unmet needs. In other words, they must encourage us to become dissatisfied with what we have. To be sexy, beautiful, happy, relaxed, we must buy their products. They shove us onto the hedonic treadmill, on which we must run ever faster to escape a growing sense of inadequacy. The problem this causes was identified almost 300 years ago. In Robinson Crusoe, published in 1719, the hero remarks, “it put me to reflecting, how little repining there would be among mankind, at any condition of life, if people would rather compare their condition with those that are worse, in order to be thankful, than be always comparing them with those which are better, to assist their murmurings and complainings.”(12) Advertising encourages us to compare ourselves to those we perceive to be better off. It persuades us to trash our happiness and trash the biosphere to answer a craving it exists to perpetuate.

But perhaps the most important impact explored by Think of Me As Evil? is the one we discuss the least: the effect it has on our values. Our social identity is shaped by values which psychologists label as either extrinsic or intrinsic. People with a strong set of intrinsic values place most weight on their relationships with family, friends and community. They have a sense of self-acceptance and a concern for other people and the environment. People with largely extrinsic values are driven by a desire for status, wealth and power over others. They tend to be image-conscious, to have a strong desire to conform to social norms and to possess less concern for other people or the planet. They are also more likely to suffer from anxiety and depression and to report low levels of satisfaction with their lives(13).

We are not born with our values: they are embedded and normalised by the messages we receive from our social environment. Most advertising appeals to and reinforces extrinsic values. It doesn’t matter what the product is: by celebrating image, beauty, wealth, power and status, it helps create an environment which shifts our value system. Some advertisements appear to promote intrinsic values, associating their products with family life and strong communities. But they also create the impression that these values can be purchased, which demeans and undermines them. Even love is commingled with material aspiration, and those worthy of this love mostly conform to a narrow conception of beauty, lending greater weight to the importance of image.

I detest this poison, but I also recognise that I am becoming more dependent on it. As sales of print editions decline, newspapers lean even more heavily on advertising. Nor is the problem confined to the commercial media. Even those who write only for their own websites rely on search engines, platforms and programmes ultimately funded by advertising. We’re hooked on a drug that is destroying society. As with all addictions, the first step is to admit to it.

www.monbiot.com



Escrito por Marta Martinz às 11h45
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




It’s the Rich Wot Gets the Pleasure

Population is much less of a problem than consumption. No wonder the rich are obsessed by it.

By George Monbiot. Published on the Guardian’s website, 27th October 2011

It must rank among the most remarkable events in recent human history. In just 60 years the global average number of children each woman bears has fallen from 6 to 2.5. This is an astonishing triumph for women’s empowerment, and whatever your position on population growth might be, it is something we should celebrate.

But this decline in fertility, according to the report the United Nations published yesterday, is not the end of the story. It has now raised its estimate of global population growth. Rather than peaking at about 9 billion in the middle of this century, the UN says that human numbers will reach some 10 billion by 2100, and continue growing beyond that point.

That’s the middle scenario. The highest of its range of estimates is an astonishing 15.8bn by 2100. If this were correct, population would be a much greater problem – for both the environment and human development – than we had assumed. It would oblige me to change my views on yet another subject. But fortunately for my peace of mind and, rather more importantly, for the prospects of everyone on earth, it is almost certainly baloney.

Writing in the journal Nature in May, Fred Pearce pointed out that the UN’s revision arose not from any scientific research or analysis, but from what appeared to be an arbitrary decision to change one of the inputs it fed into its model. Its previous analysis was based on the assumption that the average number of children per woman would fall to 1.85 worldwide by 2100. But this year it changed the assumption to 2.1. This happens to be the population replacement rate: the point at which reproduction contributes to neither a fall nor a rise in the number of people.

The UN failed to explain this changed assumption, which appears to fly in the face of current trends, or to show why fertility decline should suddenly stop when it hit replacement level, rather than continuing beyond that point, as has happened to date in all such populations. I expected yesterday’s report to contain the explanation. I expected wrong. It appears to have plucked its fertility figure out of the air.

Even so, and even if we’re to assume that the old figures are more realistic than the new ones, there’s a problem. As the new report points out “the escape from poverty and hunger is made more difficult by rapid population growth.” It also adds to the pressure on the biosphere. But how big a problem is it?

If you believe the rich, elderly white men who dominate the population debate, it is the biggest one of all. In 2009 for example, a group of US billionaires met to decide which threat to the planet most urgently required their attention. Who’d have guessed? These men, who probably each consume as many of the world’s resources in half an hour as the average African consumes in a lifetime, decided that it was population.

Population is the issue you blame if you can’t admit to your own impacts: it’s not us consuming, it’s those brown people reproducing. It seems to be a reliable rule of environmental politics that the richer you are, the more likely you are to place population growth close to the top of the list of crimes against the planet.

The new report, inflated though its figures seem to be, will gravely disappoint the population obsessives. It cites Paul Murtaugh of Oregon State University, whose research shows that:

“An extra child born today in the United States, would, down the generations, produce an eventual carbon footprint seven times that of an extra child in China, 55 times that of an Indian child or 86 times that of a Nigerian child.”

And it draws on a paper published in the Proceedings of the National Academy of Sciences which makes the first comprehensive assessment of how changes in population affect carbon dioxide emissions. This concludes that:

“slowing population growth could provide 16 per cent to 19 per cent of the emissions reductions suggested to be necessary by 2050 to avoid dangerous climate change”.

In other words, it can make a contribution. But the other 81-84% will have to come from reducing consumption and changing technologies. The UN report concludes that “even if zero population growth were achieved, that would barely touch the climate problem.”

This should not prevent us from strongly supporting the policies which will cause population to peak sooner rather than later. Sex education, the report shows, is crucial, so is access to contraception and the recognition of women’s rights and improvement in their social status. All these have been important factors in the demographic transition the world has seen so far. We should also press for a better distribution of wealth: escaping from grinding poverty is another of the factors which has allowed women to have fewer children. The highly unequal system sustained by the rich white men who fulminate about population is one of the major reasons for population growth.

All this puts conservatives in a difficult position. They want to blame the poor for the environmental crisis by attributing it to population growth. Yet some of them oppose all the measures – better and earlier sex education, universal access to contraception (for teenagers among others), stronger rights for women, the redistribution of wealth – which are likely to reduce it.

And beyond these interventions, what do they intend to do about population growth? As the UN report points out:

“Considerable population growth continues today because of the high numbers of births in the 1950s and 1960s, which have resulted in larger base populations with millions of young people reaching their reproductive years over succeeding generations.”

In other words, it’s a hangover from an earlier period. It has been compounded by another astonishing transformation: since the 1950s, global life expectancy has risen from 48 to 68.

What this means is that even if all the measures I’ve mentioned here – education, contraception, rights, redistribution – were widely deployed today, there will still be a population bulge, as a result of the momentum generated 60 years ago. So what do they propose? Compulsory sterilisation? Mass killing? If not, they had better explain their programme.

Yes, population growth contributes to environmental problems. No, it is not the decisive factor. Even the availability of grain is affected more by rising livestock numbers and the use of biofuels – driven, again by consumption – than by human population growth.

Of course we should demand that governments help women regain control over their bodies. But beyond that there’s little that can be done. We must instead decide how best to accommodate human numbers which will, at least for the next four decades, continue to rise.

www.monbiot.com



Escrito por Marta Martinz às 11h35
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Papelada representa 80% do lixo gerado pelos senadores.
oglobo.globo.com
RIO - O senado holandês livrou-se de produzir milhares de quilos de papel, há pouco mais de um mês, quando seus membros voltaram do recesso parlamentar.



Escrito por Marta Martinz às 11h26
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O Globo

EQUÍVOCOS NO DEBATE SOBRE ROYALTIES

Mauro Osório da Silva (Economista e professor da Faculdade Nacional de Direito, da UFRJ)

Publicada em 24/10/2011 às 22h19mim

 

 

O posicionamento dos parlamentares dos estados não-produtores de petróleo sobre a

repartição dos royalties têm se baseado, hegemonicamente, em pressupostos

equivocados. O primeiro deles, que o Estado do Rio de Janeiro possuiria uma alta carga

tributária, podendo abrir mão, para estados "mais pobres", de uma parcela dos recursos

atualmente recebidos com os royalties. Isso não é fato. Os dados oficiais demonstram que

21 estados brasileiros possuem uma carga tributária maior que a do Estado do Rio. Um

dos fatores que leva à baixa carga tributária do Rio de Janeiro é o fato de o ICMS relativo

à extração de petróleo ser cobrado no "destino" e não na "origem", não gerando, assim,

receita para o estado. Além disso, a extração do petróleo infla o PIB fluminense,

diminuindo a participação do Rio no Fundo de Participação dos Estados (FPE).

 

Outro pressuposto equivocado é que incentivos fiscais concedidos pelo Estado do Rio de

Janeiro teriam gerado, como consequência, uma péssima evolução da receita de ICMS, no

cenário federativo, entre 1996 e 2010. Isso não procede. A baixa evolução da receita de

ICMS do estado derivou da péssima evolução da indústria de transformação e da

economia fluminense como um todo. Por exemplo, entre 1996 e 2010, o crescimento da

indústria de transformação no Estado do Rio de Janeiro foi de apenas 1,3%, contra um

crescimento no Brasil e nos estados de Minas Gerais e São Paulo de, respectivamente,

35,8%; 41,1%; e 41,9%, de acordo com dados do IBGE. Outro pressuposto equivocado é

que os municípios fluminenses receberiam muitos recursos e gastariam mal. Na verdade,

os municípios do Estado do Rio que recebem uma soma significativa de recursos são a

exceção e não a regra. Em um ranking da receita pública municipal de todos os

municípios da Região Sudeste, com base em dados do Finanças do Brasil (Finbra), do

Ministério da Fazenda, verifica-se que, entre os 25 municípios com maior receita pública

per capita, estão apenas quatro do Estado do Rio de Janeiro: Quissamã; Macaé; Porto

Real e Carapebus - sendo que Porto Real não deriva a sua receita centralmente dos

royalties.

 

Um último pressuposto equivocado, citado hoje na mídia pelo senador Vital do Rêgo, é

que, do ponto de vista econômico e social, o Rio estaria em situação privilegiada,

atualmente, no cenário federativo. Na verdade, o conjunto dos dados mostra que, após

décadas de degradação econômica e social, de fato o Rio melhorou significativamente,

mas apenas "encostou" na trajetória nacional. O Cadastro Geral de Empregos de

Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Empregado, mostra, por exemplo,

que o emprego formal no estado do Rio de Janeiro cresceu, nos últimos doze meses,

6,3%, contra um crescimento no total do país de 5,9%. Além disso, se os megaeventos

geram, por um lado, investimentos federais, por outro, compromissos de contrapartidas

regionais. Some-se a isso o fato de as décadas de perda de participação do Estado do Rio

de Janeiro na economia brasileira e de particular degradação da máquina pública no

âmbito regional terem gerado importantes passivos a serem superados. Quando são

analisados, por exemplo, os resultados da educação básica nos municípios das periferias

das Regiões Metropolitanas do Rio, São Paulo e Minas Gerais, vê-se, através de dados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), que todos os piores resultados

estão na periferia da Região Metropolitana do Rio de Janeiro.

 

Acredito que no debate dos royalties deve-se ter em conta, também, que a tradição do

Rio não é de buscar privilégios, mas sim de ter uma preocupação com a reflexão

nacional. Nesses longos 50 anos, desde a transferência da capital para Brasília, o Rio

pouco reivindicou e pouco recebeu. Dessa forma, se o alerta em relação à injustiça

federativa contida no projeto aprovado pelo Senado é muitas vezes veemente, é pelas

graves consequências, não para um eventual governo do estado ou dos 92 municípios

fluminenses, mas, sim, para a população. É importante, pois, haver um chamamento para

uma análise rigorosa e justa, do ponto de vista federativo, dos dados de fato em jogo.



Escrito por Marta Martinz às 11h14
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Descoberto na Europa vírus semelhante ao Ebola

Os filovírus, que incluem os bem-conhecidos Ebola e Marburg, estão entre os patógenos mais mortais para os primatas, humanos e não-humanos. Leia mais...



Escrito por Marta Martinz às 08h39
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Las lluvias podrían disminuir hasta un 42% a finales de siglo por el cambio climático



Escrito por Marta Martinz às 08h38
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Equatorial Energia lucra R$ 50,7 milhões no terceiro trimestre

Resultado é 17% superior ao mesmo período do ano passado. Receita operacional líquida chegou a R$ 498,5 milhões



Escrito por Marta Martinz às 08h36
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Lucro da EDP Energias do Brasil aumentou 26,6% no terceiro trimestre

Venda de energia cresceu 5,7% em relação ao mesmo período de 2010. Ebitda da empresa foi de 361,6 milhões



Escrito por Marta Martinz às 08h35
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




BNDES libera segunda parcela do financiamento de Angra 3

Banco liberou R$ 308 milhões para a Eletronuclear. No total, já foram emprestados R$ 508 milhões para a estatal, que receberá financiamento de R$ 6,1 bilhões



Escrito por Marta Martinz às 08h33
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Luta pelos royalties

26/10/2011

Agência FAPESP – O Senado Federal aprovou, no dia 19 de outubro, um projeto de lei que propõe um novo modelo de distribuição das receitas geradas pelos campos de petróleo recentemente descobertos no país, mas o novo projeto não inclui a definição de royalties para a ciência, tecnologia, inovação e educação, que era prevista em modelos anteriores.

O tema foi destaque, na última segunda-feira (24/10), na seção de notícias da edição online da revista Nature. De acordo com a revista, a expectativa é que o petróleo descoberto no pré-sal gere receitas de R$ 80 bilhões por ano em 2020. O projeto de lei será votado na Câmara dos Deputados antes de ser sancionada pela presidente da república.

O diretor científico da FAPESP, Carlos Henrique de Brito Cruz, declarou à Nature que a aprovação pleo Senado foi um grande golpe para a ciência e para o financiamento de tecnologia no Brasil. “Começa o desmantelamento de um sistema de financiamento que foi criado em 1998, que tem trazido excelentes resultados em ciência e tecnologia no Brasil", afirmou Brito Cruz, segundo a revista.

No início de setembro, segundo a revista, uniram-se para a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e a Academia Brasileira de Ciências (ABC) lançaram um abaixo assinado pedindo 7% dos royalties para o financiamento de ciência e 30% para a educação. Até agora, de acordo com a Nature, a petição já reuniu mais de 27 mil assinaturas. O objetivo é conseguir um milhão de adesões.

Helena Nader, presidente da SBPC, segundo a Nature, disse que foram justamente os investimentos em educação ciência e tecnologia realizados no passado que permitiram ao país descobrir o pré-sal. Ela escreveu aos congressistas pedindo à Câmara dos Deputados que “revertesse a falta de compromisso com o futuro da nação”.

"Investir em ciência e tecnologia é apostar no futuro do país. Quando o dinheiro do petróleo acabar, ficaremos com a renda que vem da educação, da ciência e da tecnologia”, teria dito Nader à Nature.

Mais informações: www.nature.com 



Escrito por Marta Martinz às 08h32
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Unicamp lança livro sobre ouvidorias no país

Publicação é resultado de diversos trabalhos apresentados durante curso realizado pelo Instituto de Economia em 2008. Cerimônia de lançamento ocorrerá em 31 de outubro, em São Paulo 



Escrito por Marta Martinz às 08h30
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Do meu cronista predileto

 

Na hora dos livros

<br /><b>Crédito: </b> ARTE PEDRO LOBO SCALETSKY

A produção literária brasileira continua fraca, mas autores e grandes editoras sabem mamar nas grandes tetas sagradas do Estado. A Cia das Letras, adorada pelos autores mais chatinhos e afetados, queria beneficiar-se de um esquema chamado "Amores expressos", através do qual se mandou uma turma fazer turismo e inspirar-se em lugares óbvios e visitados, inclusive literariamente, por milhares de autores antes: Lisboa, Moscou, Cairo, Praga, Buenos Aires, Havana, Nova Iorque, etc. A grita foi tanta que o mentor da artimanha resolveu bancar do próprio bolso. Não saiu um livro que prestasse, mas alguns ganharam prêmios, distribuídos entre os compadres, e dois virarão filmes, que certamente serão premiados com pouca bilheteria. Nesse tipo de jogada sempre tem agente literário, editora chique e uma patota muito esperta.

Agora é a vez de um esqueminha ainda mais sórdido: Luiz Ruffato, um dos autores mais ilegíveis da atual safra, e Adriana Lisboa armaram o "Redescobrindo o Brasil". Vão captar, via Lei Rouanet, R$ 672 mil (o pedido original era de R$ 1 milhão) para mandar 14 amigos passearem por 14 capitais brasileiras em busca de assunto para livros maneiros. O título da coleção deveria ser 171. Num país em que celebridades como Caetano Veloso, Maria Bethânia, Gilberto Gil e outros velhos ou novos baianos chupam as tetas públicas em busca de patrocínio para espetáculos comerciais bem-sucedidos e de ingressos caros, dado que sendo legal não importa a moralidade, não era de se imaginar outra coisa com os beletristas. Com ideias tão pobres, arranjar dinheiro para ir a cidades que eles mesmos visitam todo tempo, só pode sair livro ruim, uma especialidade cada vez mais brasileira.

O pacote turístico internacional do "Amores expressos" saiu por R$ 30 mil por autor. O nacional custará, incluindo 15 dias de viagem e publicação da obra, R$ 48 mil. Deve ser isso que se chama de custo Brasil. Os livros sairão pela editora Casa da Palavra, ligado ao grupo português Leia. Na parada está também a agente literária mais capitalizada do país, Lúcia Ryff, uma das fundadoras da Casa da Palavra. Em entrevista para a Folha de S.Paulo, o desconhecido escritor Ronaldo Bressane fez certamente a melhor frase da sua literatura: "O importante é movimentar o mercado". O capitalismo é isso aí: movimentar o mercado com dinheiro público. Temos a primeira Escola Keynesiana de Literatura Brasileira. Cada autor receberá um cachê de R$ 10 mil. A viagem custará R$ 6 mil. E os outros R$ 32 mil? Irão para os demais elos da cadeia (opa!). Melhor não falar nessa palavra aí. Alguns livros do projetos "Amores expressos" nunca saíram. Uau!

Um livro de 250 páginas, com tiragem de 10 mil exemplares, custa R$ 1,70 (até menos, até R$ 1) a unidade. Chega ao leitor por, em média, R$ 42,00. A cadeia toda precisa ganhar: editor, distribuidor, livreiro e autor (míseros 10%). Tentei colocar "Vozes da Legalidade" a R$ 10,00 na Feira do Livro de Porto Alegre deste ano. Esbarrei na força da cadeia. Livro no Brasil é para ser caro, mesmo que venda pouco, e, se possível, financiado pelo Estado. O coveiro desse modelo já está trabalhando. Dois elos serão dispensados: distribuidores e livreiros.

Juremir Machado da Silva | juremir@correiodopovo.com.br

 



Escrito por Marta Martinz às 07h27
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Mundo enfrenta novos desafios ao chegar aos 7 bilhões de habitantes

AFP - ‎26/10/2011‎

LONDRES — A chegada da população mundial aos sete bilhões de habitantes, que deve aumentar para mais de 10 bilhões em 2100, é uma grande conquista para a humanidade, mas também cria novos desafios importantes para evitar o aumento das desigualdades, ... 



Escrito por Marta Martinz às 10h43
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




É preciso haver mais planejamento para famílias, diz ONU

Entidade lançou relatório a cinco dias de a população do mundo atingir o patamar simbólico de 7 bilhões

Segundo o documento, há hoje cerca de 215 milhões de mulheres que não têm acesso a métodos contraceptivos

ANTONIO GOIS
ENVIADO ESPECIAL A BELO HORIZONTE

A cinco dias de a população mundial atingir a marca de 7 bilhões pelas estimativas da ONU, o Fundo de População das Nações Unidas divulgou ontem relatório cobrando maior esforço dos governos para garantir o direito ao planejamento familiar às populações em países em desenvolvimento.
A entidade estima que, hoje, 215 milhões de mulheres casadas e em idade reprodutiva nesses países, ou 11% do total, não estejam usando, apesar de desejarem, métodos contraceptivos.
A situação é mais grave na África, especialmente na região subsaariana, onde a proporção de mulheres nessa situação chega a 25%, percentual que ficou praticamente estável ao longo de toda a década passada.
Não por acaso, é justamente na África onde se verificam hoje as maiores taxas de fecundidade do mundo.
A média do continente é de 4,4 filhos por mulher, mas em alguns países chega a 7. Na Europa, essa taxa é de 1,6, abaixo do patamar considerado de mera reposição populacional: 2,1.
Para a ONU, entre as Metas do Milênio -conjunto de objetivos acordados por todos os países para melhorar a qualidade de vida de suas populações-, essa é uma das mais negligenciadas.
Prova disso é que a assistência internacional para o planejamento familiar estagnou em US$ 400 milhões ao ano no mundo. Em 2002, esse montante chegou a US$ 700 milhões.
"Quando o direito das famílias ao planejamento familiar é respeitado, as populações, livres de qualquer tipo de coerção de governos, naturalmente evoluem para taxas de estabilização a partir de suas próprias escolhas, resultando em sociedades mais prósperas", afirmou ontem o representante do Fundo de População no Brasil, Harold Robinson, ao lançar o relatório na Universidade Federal de Minas Gerais.
Apesar de cobrar mais ação dos governos para reduzir a fecundidade em áreas onde ela está muito alta, o relatório argumenta que o tamanho da população, em si, não é um problema.

VIDA DIGNA
Segundo a ONU, nos últimos 60 anos, apesar de a população mundial ter mais que dobrado (passando de 2,5 bilhões a 7 bilhões), a expectativa de vida aumentou em mais de 20 anos, passando de 48 para 69 ao nascer.
"O mundo é capaz de alimentar e dar vida digna a 7 bilhões de pessoas, mas só se as decisões tomadas forem corretas e os direitos individuais, respeitados", afirmou Robinson.
O representante do fundo no Brasil destacou ainda que, do ponto de vista do impacto ambiental de cada habitante no planeta, é o padrão de consumo, e não o número de habitantes, que mais coloca em risco a sustentabilidade do planeta



Escrito por Marta Martinz às 10h42
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Chamada do Ex Blog Cesar Maia

AS RAZÕES DOS INDIGNADOS DOS EUA!
     
(Delfim Neto - Folha de SP, 26) Para entender os movimentos dos "indignados" americanos e da "ocupação de Wall Street", é preciso considerar alguns fatos:  1) A renda per capita não cresce desde 1996;  2) A distribuição dessa renda tem piorado há duas décadas;   3) O nível de desemprego em abril de 2008 era de 4,8% da população economicamente ativa, o que, em parte, compensava aqueles efeitos;   4) Em janeiro de 2010, o desemprego andava em torno de 10,6% e, desde então, permanece quase igual (9,2%);   5) O colapso da Bolsa cortou pelo menos 40% da riqueza que os agentes "pensavam" que possuíam;   6) A combinação da queda da Bolsa com a queda do valor dos imóveis residenciais fez boa parte do patrimônio das famílias evaporar-se;  7) Ao menos 25% das famílias têm hoje menos da metade que "supunham" ter em 2008.



Escrito por Marta Martinz às 10h33
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Chamada do Ex Blog Cesar Maia

RIO: AUMENTO MAIOR DE GABARITO PARA UM SÓ TERRENO NA PENHA! QUEM SERÁ O "FELIZARDO"?
     
(Globo, 27) A Câmara dos Vereadores aprovou ontem o novo Projeto de Estruturação Urbana (PEU) dos bairros da Penha, da Penha Circular e de Brás de Pina, com uma emenda que está causando polêmica: a alteração do gabarito na área do antigo Curtume Carioca, na Rua Quito, passando de quatro para 12 andares. Ainda pela proposta da prefeitura, em toda a região o número de pavimentos sobe de quatro para oito andares.



Escrito por Marta Martinz às 10h32
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Muito importante!

ISENÇÕES E REDUÇÕES DE TRIBUTOS NO BRASIL!
    
Informações do estudo de Raimundo Eloi de Carvalho (auditor da Receita Federal) sobre o Gasto Tributário no Brasil, ou seja, a soma de todas as isenções e reduções  de tributos.
    
1. O Gasto Tributário que alcançou, em 2005, a 1,91% do PIB, no segundo governo Lula fechou 2010 com 2,88% do PIB. Em 2011 alcançará quase a mesma coisa, ou 2,86% do PIB. Mas com as novas  isenções concedidas a Receita Federal projeta para 2012, um valor ainda maior ou 3,22% do PIB.
    
2. (Ex-Blog) Essa proporção é equivalente ao déficit fiscal nominal (portanto, incluindo o pagamento de juros) do país.
    
3. Em 2010, o Sudeste foi responsável por 49,5% do Gasto Tributário, seguido pelo Norte com 18,4%, pelo Sul com 14,1%, Nordeste com 12,1% e Centro-Oeste com 5,9%. Estas porcentagens devem ser aplicadas sobre o valor total das isenções totais ou parciais, de 105,8 bilhões de reais.
    
4. Estudo completo de 25 páginas. Conheça.

Do Ex Blog Cesar Maia



Escrito por Marta Martinz às 10h30
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Isso é crime!

R$ 100 MILHÕES DESVIADOS DO BANCO PANAMERICANO E CAMPANHAS POLÍTICAS!
   
1. (Folha de SP, 27) Boa parte do dinheiro desviado foi embolsada pelos executivos e o restante virou caixa dois, que, entre diversos destinos, financiou campanhas políticas.  É o que mostra a troca de e-mails entre os principais executivos do banco interceptados pela Polícia Federal e também o resultado de uma auditoria interna feita no banco a pedido da nova direção do PanAmericano.
    
2. (Ex-Blog, 27) O governo do PT assumiu o banco e seu rombo de 4 bilhões. Nomeou diretores... Adivinhe que campanhas receberam esse dinheiro.

Do Ex Blog Cesar Maia



Escrito por Marta Martinz às 10h29
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Perfeito! Foi excelente a visão em sua gestão. Hoje é uma droga.

PRÉ-ESCOLA, PRIORIDADE MÁXIMA! NOTA NÃO FORMA NINGUÉM!
     
1. (Ex-Blog, 26) A prefeitura do Rio, entre 1993 e 2008, priorizou a pré-escola e ampliou as matrículas de 15 mil para 95 mil. Infelizmente, nesses últimos dois anos as matrículas diminuíram. A prefeitura do Rio priorizou a formação e motivação ao critério imperial de notas. Matéria do Globo trata dessas duas questões. Prefeitura do Rio está fazendo tudo ao contrário.
     
2. (Globo, 26) 1. Cada R$1 investido em educação na idade pré-escolar pode trazer um retorno entre R$60 e R$300 para a sociedade quando a criança for adulta. Isso porque uma criança que tem o acompanhamento adequado nessa idade desenvolve mais facilmente habilidades sociais e psicológicas, chamadas de conhecimento não cognitivo. A afirmação é de James Heckman, ganhador do Nobel de Economia em 2000, justamente por seus estudos sobre métodos de avaliação de programas sociais e de educação.
       
3. Heckman: escola não pode se concentrar só nas notas. -Temos de mudar o que as escolas enfatizam hoje, para que não formem apenas alunos que vão bem nos testes, mas que sejam pessoas bem-sucedidas, menos violentas e mais capazes de controlar suas emoções. — É preciso expandir o papel do professor e o entendimento de educação com uma visão muito mais compreensiva, em vez de apenas se concentrar no resultado das notas dos alunos num teste em particular. Elas são importantes meios de medir o aprendizado, mas se olharmos apenas para elas, podemos estar ignorando outros traços importantes para o sucesso do indivíduo.

Do Ex Blog Cesar Maia



Escrito por Marta Martinz às 10h28
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Occupy Wall Street: quatro etapas e um desafio

O movimento Occupy Wall Street – por enquanto, é um movimento – é o acontecimento político mais importante nos Estados Unidos desde as rebeliões de 1968, das quais é descendente ou continuação direta. O comentário é de Immanuel Wallerstein em artigo, com tradução de Paulo Cezar de Mello, publicado pelo sítio Outras Palavras,25-10-2011.
Por que começou nos Estados Unidos em dado momento – e não três dias, três meses, três anos antes ou depois –, jamais saberemos ao certo. As condições estavam dadas: crescimento agudo do desastre econômico, não só para os realmente acometidos pela pobreza mas também para um segmento cada vez mais vasto dos trabalhadores pobres; incríveis exageros (exploração, ganância) do 1% mais rico da população americana (“Wall Street”); o exemplo de iradas rebeliões ao redor do mundo (a “Primavera Árabe”, os indignados espanhóis, os estudantes chilenos, os sindicatos de Wisconsin e mais uma longa lista). Não importa tanto qual fagulha acendeu a fogueira. Ela foi acesa.

Na primeira etapa – os dias iniciais –, o movimento resumia-se a um punhado de pessoas audaciosas, e na maioria jovens, procurando se manifestar. A imprensa ignorou-as completamente. Até que alguns chefes de polícia imbecis acharam que um pouco de brutalidade acabaria com as manifestações. Acabaram capturados por filmagens e as filmagens infestaram o YouTube.

O que nos leva à segunda etapa – a publicidade. A imprensa não pôde mais ignorar totalmente as manifestações. Então, tentou ser condescendente. O que esses tolos e ignorantes jovens (e uma e outra mulher mais velha) sabiam de economia? Será que tinham algum programa positivo? Eram “disciplinados”? Fomos informados de que logo as manifestações iriam minguar. O que não era esperado pela imprensa e pelos poderes correntes (parece que eles nunca aprendem) é que o tema do protesto ressoaria de maneira ampla e rapidamente se popularizaria.

De cidade em cidade, “ocupações” similares foram iniciadas. Cinquentões desempregados começaram a aderir. Celebridades fizeram o mesmo. O mesmo para sindicatos, inclusive ninguém menos que o presidente da AFL-CIO (Federação Americana do Trabalho e Congresso de Organizações Industriais). A imprensa de fora dos Estados Unidos começava a cobrir os eventos. Questionados sobre o que queriam, os manifestantes respondiam: “justiça”. Esta começava a parecer uma resposta significativa para mais e mais pessoas.

Vem então a terceira etapa – a legitimidade. Acadêmicos de certa reputação passaram a sugerir que o ataque a “Wall Street” possuía alguma justificação. Repentinamente, a principal voz da respeitabilidade centrista, o New York Times, rodou em 8 de outubro um editorial dizendo que os protestantes tinham realmente “uma mensagem clara e preceitos políticos específicos”, e que o movimento era “mais que uma revolta de juventude.” O Times prosseguia: “Desigualdade extrema é a marca de uma economia disfuncional, dominada por um setor financeiro guiado em grande parte por especulação, trapaça e amparo governamental, tanto quanto por investimentos produtivos.” Linguagem pesada para o Times. Em seguida, o comitê de campanha democrata no Congresso passou a circular uma petição solicitando aos adeptos do partido que declarassem: “Estou com os protestos do Occupy Wall Street”.

O movimento tornara-se respeitável. E com a respeitabilidade veio o perigo – quarta etapa. Um grande movimento de protesto, ao se popularizar, costuma enfrentar duas grandes ameaças. Uma é a organização de significativa contramanifestação de direita nas ruas. Com efeito, Eric Cantor, o linha-dura (e muito astuto) líder republicano no Congresso, já foi convocado. Tais contramanifestações podem ser bastante ferozes. OOccupy Wall Street precisa estar preparado para isso e cogitar a maneira como pretende dominar ou neutralizar a eventual contra-ofensiva.

Mas a segunda e maior ameaça vem do sucesso genuíno do movimento. Conforme ganha mais apoio, ele amplia a diversidade de opiniões entre os manifestantes ativos. O problema aqui, como sempre, é como evitar ao mesmo tempo Cila e Caribdis [nota 1]. Impedir que Occupy Wall Street torne-se um culto para poucos, que seria levado à derrota por ter bases muito limitadas; ou que, no esforço para atrair mais gente, o movimento perca coerência. Não há fórmula simples para manter-se afastado de ambos os extremos. É difícil.

Quanto ao futuro, pode ser que o movimento tenha força em momentos específicos. De duas coisas ele pode ser capaz. Forçar uma revisão rápida das medidas reais do governo para minimizar a dor aguda que pessoas estão obviamente sentindo. E transformar, a longo prazo, a visão de largos segmentos da população norte-americana sobre as realidades da crise estrutural do capitalismo e as grandes transformações geopolíticas que estão ocorrendo, por vivermos hoje em um mundo multipolar.

Mesmo que o Occupy Wall Street venha a se esgotar por exaustão ou repressão, ele já terá sido bem-sucedido e deixará um legado duradouro, assim como ocorreu com as revoltas de 1968. Os Estados Unidos terão mudado, e em sentido positivo. Como diz o ditado, “Roma não foi feita em um dia”. Construir uma ordem mundial nova e melhor; e um país novo e melhor, são tarefas que requerem esforço contínuo de várias gerações. Mas um outro mundo é de fato possível (embora não inevitável). E nós podemos fazer a diferença. Occupy Wall Street está fazendo a diferença – uma grande diferença.

Nota:

1. Referência à mitologia grega. Cila e Caribdis são monstros poderosos e vorazes, que habitam rochedos opostos, às margens de um estreito. A distância entre eles é inferior ao alcance de uma seta. Por isso, os navegantes precisam de grande destreza para não se aproximar nem de um, nem de outro lado. Referência, na vida social, às situações em que duas posições extremas, e opostos, são igualmente desastrosas.



Escrito por Marta Martinz às 10h21
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




'Em dez anos faltará água no litoral do Nordeste'

 

O sistema Barreiras, que vai do Espírito Santo à Região Norte, margeando o litoral, é outra reserva estratégica com problemas. A salinização e a contaminação por nitrato, oriundo de fossas e esgotos, são as mais graves.

A reportagem é de Karina Ninni e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 26-10-2011.

Especialistas alertam que, se o consumo e a ocupação das dunas continuarem, em cerca de dez anos faltará água para consumo no litoral do Nordeste.

"As dunas que existem nas praias protegem a reserva em algumas localidades. O problema é que as elas são muito sensíveis e todo mundo quer ocupá-las: o turismo, a indústria de energia eólica etc. E tudo o que vaza pelas dunas cai direto no aquífero", explica Luis Parente Maia, diretor do Instituto de Ciências do Mar, da Universidade Federal do Ceará.

Ele afirma que as partes mais sensíveis do sistema ocorrem onde ele é mais arenoso e há menos argila. O Barreiras é pouco espesso: em suas áreas mais largas tem cerca de 60 metros de espessura. Maia estuda uma região próxima a Fortaleza, onde ficam os balneários de Icaraí e do Pacheco.

"Tem pontos em que já há níveis de coliforme bastante elevados. Você tem poluição possível direta por efluentes líquidos e por resíduos sólidos, porque não se recolhe lixo. Ou se joga nos montes ou se enterra no fundo das casas", explica ele.

O pesquisador diz que na localidade de Icaraí não existe abastecimento por rede. "Só se usa água de poço."

Salinização

A ocupação desordenada e a explotação sem cuidados estão acentuando a salinização das reservas litorâneas do Barreiras.

"Só temos água boa onde há duna, pois aqui, nessa região, não temos bacia sedimentar. O fundo é granito e lá já há água salgada por natureza. Mas há um problema adicional: a superexploração da água. Todo mundo bombeia sem nenhum controle. O espaço antes ocupado pela água doce, que foi retirada, acaba invadido pelas águas salgadas do mar", explica Maia.

Ele afirma que a situação deve piorar, pois as obras do complexo industrial e portuário doPecém, que está sendo ampliado, já pressionam as cidades de Icaraí, Cumbuco e Pacheco. "O que antes era um problema isolado nas temporadas, pois estes eram locais de veraneio, pode se tornar uma dificuldade crônica."

O dentista Aldemir Arruda teve uma casa de veraneio na Praia do Pacheco por 30 anos. "O meu poço tinha 34 metros de profundidade e a água era salobra. Então eu tive de desativar", explica.

Arruda afirma que precisou cavar o poço durante um período de seca muito forte, na década de 1980. "Foram cinco anos seguidos de seca. Nós tínhamos cacimbas, que são poços mais superficiais, mas todos secaram. Então, tive de cavar este, mais fundo. Mas a água não servia para cozinhar nem para banho. Só para limpeza mesmo. Tínhamos de levar água de Fortaleza, em galões, para poder usar na praia", conta.

Arruda afirma que sua casa ficava bem próxima a uma antiga salina desativada, entreCaucaia e Fortaleza. "Ali a salinidade é imensa. Aquilo foi desativado, mas as casas ao redor ainda sofrem as consequências", diz Maia. "Um vizinho tinha uma casa mais próxima da praia, das dunas. Ele possuía um poço de água excelente", lembra.

Norte

O Barreiras abastece várias cidades litorâneas no Nordeste e chega até o Amapá, na Região Norte. A região metropolitana de Belém (PA) usa 30% de águas subterrâneas para abastecimento público, parte do Barreiras e parte de um outro aquífero que ocorre no local: o Pirabas.

"É um excelente reservatório. Um poço produtivo no Pirabas tem vazão média de 600 m³/hora, o que é ótimo", explica o geólogo Milton Matta, da Universidade Federal do Pará. Ele alerta, porém, para a ocorrência dos chamados "poços Amazonas", vetores de contaminação local da água subterrânea.

"Em Belém há mais de 30 mil poços desses. São buracos cavados no chão, sem proteção. A água é puxada para cima em latas de manteiga enferrujada. Um caos." 



Escrito por Marta Martinz às 10h17
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Dando o meu o seu o nosso por 50 anos. Absurdo! É tempo demais. Aí tem mutreta.

www.luizpaulo.com.br
A Assembléia Legislativa do Rio votou na quarta-feira, 26/10, o projeto de lei 939/11 de autoria do Poder Executivo, que coloca a montadora Nissan do Brasil Automóveis Ltda no Programa de Atração de Investimentos Estruturantes (RioInvest). O enquadramento permite que, uma vez cumpridos todos os pré...

...

Foi ainda votado, também em discussão única, o projeto de lei 940/11, também do Poder Executivo, que concede tratamento tributário especial à Nissan do Brasil Automóveis Ldta. O texto adiou a cobrança de ICMS para a empresa por 50 anos a partir do início de sua atividade. O adiamento proposto é extensivo a outras fábricas que venham a se instalar a um raio de 50 km da Nissan.

 



Escrito por Marta Martinz às 10h09
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Muito importante!

"Jogo com a saúde", artigo do Dr. Marcos Moraes

23/10/2011 - Recentemente assisti indignado a mais um desmando da indústria do tabaco para deter as conquistas que o Brasil vem conseguindo na redução do tabagismo. O Sindicato da Indústria do Tabaco, que representa grandes corporações transnacionais de fumo atuantes no Brasil, conseguiu sustar judicialmente uma audiência pública na qual a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) apresentaria o balanço da consulta pública da proposta para proibir aditivos que dão sabor aos cigarros.

Desde o ano passado, o setor fumageiro tenta impedir a aprovação dessa medida. Em um grande esforço, que antecedeu esse lamentável episódio, conseguiu retardar por quase seis meses o processo de análise das contribuições às consultas públicas pelos técnicos da Anvisa, ao mobilizar 200 mil manifestações formais contra as medidas propostas. A tática usada foi a da desinformação e da disseminação do terror de que as medidas da Anvisa prejudicariam os pequenos produtores de fumo do país.

A proibição de utilização de aditivos impediria o uso do tabaco tipo burley na confecção de cigarros, já que esse tipo de tabaco exige a adição de açúcar para diminuir o sabor forte e a sensação de irritação causada por sua fumaça na garganta. Segundo o setor fumageiro, isso provocaria um impacto negativo sobre os produtores desse tabaco - 50 mil famílias.

Na verdade o que defendem é a tecnologia dos aditivos desenvolvida por grandes fabricantes de cigarros, que tem se mostrado vital para a expansão desse negócio, pois é a garantia de que centenas de milhares de adolescentes que experimentam cigarros todos os anos não desistam de continuar a fumar devido ao gosto ruim de sua fumaça. Os aditivos permitem que a fase de experimentação se mantenha pelo tempo necessário para que a dependência se instale e se encarregue da continuidade do consumo regular.

Se a intenção desses senhores fosse defender o fumicultor, estariam atentos ao fato de que produzir fumo não trouxe riqueza nem qualidade de vida aos pequenos agricultores, pois a maioria dos fumicultores está aprisionado em um ciclo vicioso de dívida e doenças inerentes a essa atividade. E estariam atentos que, com a adesão de 174 países à Convenção Quadro - tratado internacional sobre regulação do consumo de cigarros - em breve esses pequenos agricultores sentirão na pele a retração da demanda global do fumo, o que já foi previsto em 2003 por estudo da Organização das Nações Unidas para agricultura (FAO).

Se de fato querem ajudar o Brasil, trabalhem para romper os elos que mantém fumicultores e municípios brasileiros economicamente reféns da cadeia produtiva do fumo e parem de obstruir medidas que ajudarão nosso país a reduzir a experimentação de cigarros entre adolescentes. É isso a que chamamos de responsabilidade social na defesa do desenvolvimento sustentável. (O Globo)

 



Escrito por Marta Martinz às 09h43
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




No centenário da descoberta da doença de Chagas, Brasil tem 2,5 milhões de portadores

 

O pesquisador assinala que a doença de Chagas é negligenciada por não ser democrática.

 

- Ela só ocorre nos pobres. A dengue, por exemplo, é democrática porque não respeita a cara de quem é feio, bonito, branco, negro, pobre ou rico. Neste ano está sendo iniciado no Brasil o teste de uma vacina contra a dengue em seis Estados. Essa vacina vai funcionar, mas nunca teremos uma vacina contra uma doença negligenciada. Nunca e jamais porque a doença de Chagas não é democrática e não dá retorno financeiro. É o capital que manda.

 

Para Aldo Valente, se há notícia sobre doença de Chagas no Brasil no momento, isso se deve ao fato de que a mesma é transmitida pelo açaí.

 

- O açaí, depois do minério, da madeira e do tráfico de drogas, é o produto mais importante da economia do Pará. O Estado exporta algo em torno de US$ 1 bilhão em polpa de açaí, atividade que gera emprego para 200 mil pessoas. O PIB, só com açaí, é maior do que muitas cidades da Amazônia - afirma.

...

http://www.altino.blogspot.com/



Escrito por Marta Martinz às 09h38
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Senado derruba sigilo eterno de documentos

O Senado aprovou ontem à noite o projeto de lei que garante e facilita o acesso a documentos públicos nos três Poderes da República e em todos os níveis de governo: municípios, Estados e União.  Matéria  da Folha replicada no IHU



Escrito por Marta Martinz às 09h28
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




BRASIL: medidas para enfrentar violência contra Infância

Cem milhões de crianças que vivem nas ruas têm direitos fundamentais que devem ser respeitados e protegidos pelos Estados e pela população adulta em geral, disse a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos. Durante sua participação em debate dedicado a proteção de crianças, realizado pelo Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, Navi Pillay alertou sobre a grande quantidade de menores desabrigados e advertiu a que cifra estimada poderia estar muito aquém da realidade, porque não existe um método adequado para quantificar esta população. Leia mais emEcodebate



Escrito por Marta Martinz às 09h27
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Livros de Paulo Freire disponíveis para download gratuito

Os adeptos de Paulo Freire têm agora a disponiblidade de baixar gratuitamente na internet, inclusive o clássico Pedagogia do Oprimido. Algumas de suas obras são consideradas preciosidades. São livros importantíssimos de um pensador brasileiro comprometido profundamente com as causas sociais.

O material é inovador, criativo,original e tem importância histórica inédita. Para os profissionais e pesquisadores de comunicação a obra Extensão ou Comunicação é, praticamente, obrigatória.

As obras estão disponiveis no portal do governo do Acre:http://www.bibliotecadafloresta.ac.gov.br/.

Confira abaixo as obras e os linques:

A importância do ato de ler<>

Ação Cultural para a Liberdade<>

Extensão ou Comunicação<>

Medo e Ousadia

Pedagogia da Autonomia<>

Pedagogia da Indignação<>

Pedagogia do Oprimido<>

Política e Educação<>

Professora sim, Tia não<>

* Colaboração de Solange Ikeda Castrillon para o EcoDebate

 



Escrito por Marta Martinz às 09h20
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Gabeira

Os tigres de papel timbrado

Brasília –  Estou na capital para um seminário. Nada a ver com os escândalos. Mas aqui na corte, só se fala nisso.  O Brasil é hexa na modalidade queda de ministros: Orlando Silva cai e o PC do B , parece, continuará com o Ministério dos Esportes.

Orlando Silva aparelhou o ministério para o PC do B, que o defendeu com unhas e dentes. As ONGs, que pegaram o dinheiro e não comprovam seu uso, também são ligadas ao PC do B.

O ministro foi punido, seu partido não. O PC do B se comportou de uma forma que merecia a mesma punição que o próprio Orlando.

Sempre se dizendo um partido experiente, afirmando ter passado por várias situações difíceis, sua reação às denúncias foi elementar.

Produziu um programa de televisão para incensar o comunismo no Brasil. Não era isto que estava em jogo. Usou, indevidamente ,a imagem das pessoas. E não respondeu às acusações de frente.

Sinceramente, não esperava que  seus dirigentes fossem tão estreitos. Eles se dirigem a uma opinião democrática tentando infantilizá-la, como se estivessem num pais sem liberdade de imprensa.

No movimento estudantil, chamávamos os quadros do PC do B de a tigrada. Isto por causa da frase de Mao: o imperialismo é um tigre de papel.

É surpreendente, tantos anos depois, que a tigrada reduza o mundo a uma guerra  de propagandas.

Fala–se que Aldo Rebelo será o no novo ministro. Ele tem mantido posições independentes da esquerda, a partir de sua própria reflexão.

Mas daí a contestar o aparelhamento do estado pelo PC do B vai uma grande distância. O esporte continuaria nas mãos de um partido, alimentando suas finanças e seu crescimento.

Impressionante a mediocridade do governo. Não consegue dar um passo adiante, na liberação da máquina do estado de seus ocupantes espúrios.

Pela mesma lógica, demite alguém do Sarney, mas coloca outra pessoa do Sarney no Turismo.

Não acredito que Orlando Silva seja o culpado sozinho. O governo, com a renúncia do Ministro e a continuação do cargo com o PC do B, tenta nos passar esta ideia.

Assim como o PC do B, o governo desistiu de fazer sentido. Resolve apenas mudar um pouco, para deixar tudo como está. Inauguramos, sob inspiração da tigrada, o grande salto no mesmo lugar.

http://www.gabeira.com.br/index.php/2011/10/27/os-tigres-de-papel-timbrado/



Escrito por Marta Martinz às 09h12
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Tudo como Dantes no Quartel de Abrantes

Waldemar Souza é homem de confiança de Orlando Silva.
blogs.estadao.com.br
Souza firmou o contrato de R$ 6,2 milhões com sindicato de cartolas do futebol para projeto da Copa de 2014



Escrito por Marta Martinz às 08h27
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




http://ocupario.org/
ocupario.org
A casa caiu! Levante sua barraca!



Escrito por Marta Martinz às 08h25
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Da mesma forma essas organizações não tem futuro. Tudo é descartável.

 

Ex Blog Cesar Maia

"A NOVA SOCIEDADE URBANA"! "NADA A LONGO PRAZO"!

Trechos do artigo de Richard Sennett, Professor de sociologia na London School of Economics, no Le Monde Diplomatique de 11/09/2001.
       
1. Uma cidade é um lugar em que as pessoas podem aprender a viver com desconhecidos, compartilhar experiências e interesses não familiares. A uniformidade embrutece enquanto a diversidade estimula o espírito. A cidade também oferece a seus moradores a possibilidade de desenvolver uma consciência de si mais complexa e mais rica. Não são submetidos a um esquema de identidade imutável. As pessoas podem desenvolver imagens múltiplas de suas identidades, na medida em que o que são varia de acordo com as pessoas com quem convivem. Aí está o poder da diversidade - a liberdade de uma identificação arbitrária.  Com relação a isso, os arquitetos e os urbanistas têm novos desafios pela frente, pois a globalização revolucionou o modo de produção, permitindo aos assalariados trabalharem de maneira mais flexível. E obrigando-os a viver a cidade de uma outra maneira.
                 
2. Há mais ou menos 20-25 anos, as empresas começaram a se revoltar contra a pirâmide weberiana. Tentou-se "diluir", suprimir, alguns postos administrativos (utilizando as novas tecnologias da informática para substituir os burocratas) e acabar com a prática da atividade fixa para substituí-la por equipes que trabalham em períodos curtos e tarefas específicas. Nessa nova estratégia, as equipes entram em competição umas com as outras, procurando satisfazer o mais rápido possível os objetivos fixados pelo topo da hierarquia. Não se trata mais de cada trabalhador ocupar um lugar específico em uma cadeia de comando bem definida. Assiste-se à duplicação das tarefas: equipes distintas confrontam-se para fazer o mesmo trabalho de forma mais rápida e eficiente. Dessa maneira, a empresa pode atender melhor às evoluções da demanda.
                  
3. A palavra de ordem nesses locais de trabalho "flexíveis" é: "Nada a longo prazo!" Os planos de carreira foram substituídos por empregos que consistem em efetuar tarefas específicas e limitadas. Terminada a missão, o emprego é muitas vezes suprimido. No setor de alta tecnologia do Vale do Silício, a duração média de um emprego é de oito meses. As pessoas mudam constantemente de parceiros profissionais. As teorias modernas da gestão de empresas sustentam que o "prazo de validade" de uma equipe não deve ultrapassar um ano.  Mas a flexibilidade não leva à solidariedade e tampouco proporciona a democracia. É difícil sentir-se envolvido em uma empresa que não tem a natureza bem definida; é difícil agir com lealdade em uma instituição instável, que não demonstra ser leal com você. Os dirigentes de empresas descobrem que a falta de envolvimento se traduz em uma redução da produtividade e uma certa indiferença à noção de confidencial.  A ausência de solidariedade, que é explicável pelo princípio "Nada a longo prazo", é um fenômeno bem mais sutil.   As taxas de mobilidade geográfica passam a ser muito elevadas entre os trabalhadores que vivem a flexibilidade. O temporário é o único setor do mercado de trabalho com crescimento rápido, levando os assalariados a mudarem de casa com frequência.  
                      
4. Alguns especialistas em estudos urbanos sustentam que, para essa elite, o modo de vida na cidade tem mais importância do que seus empregos. Alguns bairros - chiques, com restaurantes na moda e serviços específicos - substituem a própria empresa como ponto de referência.  A segunda expressão do novo capitalismo é a padronização do ambiente. Há alguns anos, o diretor de uma grande empresa do setor da nova economia - durante uma visita ao Chanin Building, em Nova York, um palacete art déco, com escritórios ultramodernos e espaços públicos esplêndidos - declarou: "Isso não seria conveniente para nós, as pessoas poderiam se ligar exageradamente a seus escritórios, poderiam se apropriar deles."
                       
5. Paralelamente a essa "arquitetura-envelope" assiste-se à padronização do consumo público - uma rede mundial de lojas que vendem os mesmos produtos nos mesmos tipos de espaço, seja em Manila, no México ou em Londres. É difícil se afeiçoar a uma loja específica da cadeia Gap, ou de uma Banana Republic; a padronização produz a indiferença.  As cidades deixam de oferecer o desconhecido, o inesperado ou o estimulante. Do mesmo modo, as experiências de uma história compartilhada ou de uma memória coletiva desaparecem diante da neutralidade dos espaços públicos. O consumo padronizado acaba com as referências locais do mesmo modo que o novo local de trabalho mina a memória interiorizada, compartilhada pelos trabalhadores.

 



Escrito por Marta Martinz às 11h03
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




TI INSIDE

Matéria tributária
SPED ajuda a combater fraudes e sonegação fiscal, avaliam especialistas

Os órgãos de fiscalização ganharam um instrumento eficaz para punir as irregularidades. Mas para garantir a efetiva redução da elevada carga de impostos, a recomendação é fazer uma reforma tributária



Escrito por Marta Martinz às 08h32
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Documento fiscal
Exigência de emissão da NFS-e começa em janeiro de 2012 em Niterói

A regra vale para todos os prestadores de serviços inscritos no CCTM ou com atividade no município, além de microempreendores individuais e empresas do Simples Nacional, informa a Secretaria de Finanças



Escrito por Marta Martinz às 08h28
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Asupervisora do Departamento de Atenção Especializada da pasta deveria ser trocada.

TCU: SUS fracassa no atendimento ao câncer

Espera pela primeira sessão de radioterapia supera três meses

Conforme o tipo de tratamento, nem a metade dos pacientes que procuram o Sistema Único de Saúde (SUS) consegue assistência.
Conforme o relatório, as unidades públicas de saúde deveriam ter atendido em 2010 169,3 mil doentes que necessitavam radioterapia, mas só 111,5 mil foram contemplados (65%). No caso das cirurgias oncológicas, os números são ainda piores: de 152,4 mil pessoas, 71,2 mil ou 46% conseguiram passar pelo procedimento. No Rio, os dados são mais dramáticos: só 41% dos pacientes tiveram acesso à radio e 29% às cirurgias.

Em países como Canadá e Reino Unido, a quase totalidade dos doentes aguarda no máximo 30 dias, a partir do diagnóstico, para iniciar o combate ao câncer. No SUS, a primeira quimioterapia é feita em 76,3 dias e a primeira radioterapia, em 113 dias.

O quadro resulta de uma cadeia de deficiências, fruto do baixo investimento público. Um estudo do Instituto Nacional do Câncer (Inca), citado na auditoria, diz que o SUS precisa de 375 centros de atendimento a doentes de câncer, mas tinha 264 em junho deste ano. Só para radioterapia, faltavam 135 serviços. "Essa carência de instalações aptas a atender a crescente demanda contribui com a intempestividade no diagnóstico da doença e no tratamento provido pelo SUS", escreveu o relator do caso no TCU, ministro José Jorge.

Ouvidos em pesquisa do TCU, 87% dos oncologistas consideraram a espera por uma cirurgia demorada ou muito demorada; na consulta sobre a radioterapia, o percentual foi de 74%. Oito em cada dez deles responderam que procedimentos importantes para tratamento e diagnóstico da doença não são custeados pelo sistema público. Soma-se a isso o despreparo da rede de atenção primária para detectar o câncer e encaminhar os doentes a unidades especializadas, citado por 84% dos médicos e 77% das associações de apoio aos pacientes.

O câncer é o segundo tipo de doença que mais mata no Brasil. Com a estrutura que propicia, 65,4% dos tumores diagnosticados pelo SUS já estão em estágio avançado. No caso das neoplasias de brônquios e pulmões, o percentual é de 87%. O TCU constatou que o Ministério da Saúde tem descumprido suas próprias normas e não divulga orientações de assistência oncológica. "Dentre os sete tipos de câncer com maior incidência no país (pele não melanoma, próstata, mama, cólon e reto, pulmão, estômago e colo do útero), somente cerca de 40% possuem protocolos clínicos e diretrizes diagnósticas e terapêuticas", dizem os auditores.

Procurado, o Ministério da Saúde reconheceu parte das deficiências e argumentou que, com o reforço das políticas de combate ao câncer, cujos investimentos previstos são de R$ 4,5 bilhões até 2015, a tendência é que a situação melhore.

http://oglobo.globo.com/pais/mat/2011/10/25/tcu-sus-fracassa-no-atendimento-ao-cancer-925661379.asp



Escrito por Marta Martinz às 07h59
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Justiça do Rio bloqueia bens de Lindbergh Farias e mais oito

Senador do PT responde a suposta fraude cometida quando era prefeito.
Assessoria nega irregularidades e diz que ele recorreu da decisão.

A 1ª Vara Cível de Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro, determinou a indisponibilidade de todos os bens móveis e imóveis do senador Lindbergh Farias (PT-RJ) e de mais oito pessoas e três empresas que respondem ação civil de improbidade administrativa por supostas fraudes em licitações.

A juíza diz ainda que há "fortes indícios de violação de diversas normas de regência do procedimento licitatório" e "favorecimento a uma empresa supostamente de fachada".

No pedido, o Ministério Público solicita também a condenação dos réus com base na Lei de Improbidade Administrativa, ressarcimento de danos ao erário e declaração de nulidade de todos os contratos celebrados pelo município com as empresas suspeitas. Não há previsão para análise do mérito do pedido.

http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2011/10/justica-do-rio-bloqueia-bens-de-lindbergh-farias-e-mais-oito.html



Escrito por Marta Martinz às 07h49
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Tecnologia, consumo e dor – Documentário expõe os conflitos na extração de metais para celulares

“Esse lugar é o inferno na Terra. Pessoas trabalhando sob a mira de homens armados por toda parte. Meninos de 14, 15, 16 anos cavando nos buracos. Crianças com até quatro anos vendendo coisas e fazendo serviços para os soldados. Não há água potável.”

O cineasta dinamarquês Frank Poulsen sempre se considerou uma pessoa forte para cenários de pobreza e sofrimento, tendo ido a África várias vezes. Mas a visão da enorme mina de cassiterita de Bisie, num ponto remoto do Congo oriental, foi “muito além de tudo que eu já tinha visto”. “O sentimento de desespero está no ar”, descreveu ao Link pelo telefone. (Leia entrevista aqui.)

Exploração. No Congo, minas controladas por milícias armadas empregam mão de obra infantil. FOTO: DIVULGAÇÃO

Em Bisie, milhares de pessoas se dedicam a procurar um dos minérios que, muitos estágios depois, se transformam em componentes dos celulares que todos usam. Foi lá que o diretor conseguiu as imagens mais impactantes de seu documentário, Blood In The Mobile (Sangue no Celular, em tradução livre).

Concluído no fim de 2010, o filme teve exibições esporádicas desde então (incluindo sessões no festival brasileiro É Tudo Verdade deste ano). Entre este mês e o fim do ano, o alcance deve aumentar, com sua inclusão em diversas mostras e festivais nos EUA e Inglaterra.

Blood In The Mobile é um ruído desagradável em um mundo dominado por máquinas e pelo consumo destas. O filme alerta que as matérias-primas que fazem este século 21 ser tão bem informado e conectado muitas vezes vêm de lugares que remetem aos tempos da escravidão. As cenas de Bisie podiam muito bem ser do Congo Belga do fim do século 19, descrito em tons sinistros pelo escritor Joseph Conrad no clássico Coração das Trevas.

O diretor viveu uma saga para chegar ao seu apocalíptico destino final, como o protagonista do livro de Conrad. “Primeiro tomei o avião de Kinshasa (capital do Congo) até a cidade de Goma. Daí fui de helicóptero até a vila de Walikale. Depois, foram mais 200 quilômetros de moto. E, finalmente, dois dias de caminhada pelas montanhas.”

País que tem o tamanho da Europa Ocidental, a República Democrática do Congo (o antigo Zaire) repousa esplendidamente sobre imensas reservas de diamantes, ouro, cobre, cobalto, cassiterita, volframita e coltan (abreviação para columbita-tantalita). Fora as pedras preciosas, o resto da lista são materiais usados no processo de fabricação de qualquer aparelho de celular (leia mais aqui).

Os recursos minerais do Congo são motivo de disputas sangrentas. No fim dos anos 90, as tensões descambaram no conflito mais sangrento do planeta desde o fim da Segunda Guerra Mundial, envolvendo o exército congolês, milícias locais, forças de Ruanda, Burundi e mais seis países.

Chamada de Segunda Guerra do Congo ou Guerra do Coltan, ela terminou oficialmente em 2003. Mas a paz nunca chegou de fato à região, que segue castigada por violência, exploração, ausência de direitos humanos básicos, fome e doenças. De 1998 a 2008, 5,4 milhões de pessoas morreram em consequência dos conflitos. Os produtos das minas locais ganharam o nome neutro de “minérios do conflito”.

Não surpreende que as condições de trabalho num cenário assim sejam as piores possíveis. “A situação nas minas é análoga à escravidão. As pessoas ganham para trabalhar, mas estão aprisionadas, amarradas em dívidas com os grupos armados”, relata.

Fabricantes. Segundo o diretor, tão difícil quanto acessar a distante mina congolesa foi conseguir a participação da Nokia no documentário. Poulsen escolheu a empresa por ser a fabricante do celular que usa. Depois de dois meses de tentativas por e-mail e telefone, tudo que obteve foi uma resposta de duas linhas dizendo que a “empresa não tinha recursos para ajudá-lo”. O cineasta resolveu, à la Michael Moore, ir pessoalmente à sede da empresa na Finlândia.
“No filme, eu vou várias vezes à sede da Nokia. Eles me disseram, finalmente, que sabem do problema e que estão fazendo tudo que podem, mas não especificam bem o quê”, conta.

Poulsen não tenta provar que os celulares da Nokia usam materiais de Bisie ou de outra mina do Congo. Dada a quantidade de etapas atravessada pelos minérios até chegar na manufatura do aparelho, o rastreamento é trabalhoso. “Sei da dificuldade de conhecer a cadeia de fornecimento desses recursos. Mas só as indústrias podem descobrir isso e elas não o fazem. Se recusam a divulgar sua lista de fornecedores.”

A questão dos “minérios de conflito” esteve na pauta do Congresso americano no final da década passada. O resultado foi a inclusão de uma cláusula referente ao Congo num pacotão legislativo conhecido como Lei Dodd-Frank. De acordo com ela, empresas passam a ser obrigadas a provar que seus materiais não vinham da região conflituosa no Congo.

Mesmo sem entrar em vigor, a lei Dodd-Frank já teve um impacto muito além do previsto. Apavoradas com possíveis consequências, empresas americanas pararam de comprar qualquer coisa do Congo. Foi um duro golpe na frágil economia local, onde os minérios representam quase 12% das exportações.

Inferno na Terra. A mina em Bisie, no Congo. FOTO: DIVULGAÇÃO

 

Por Camilo Rocha, do blogue Link, em O Estado de S.Paulo.

EcoDebate



Escrito por Marta Martinz às 12h02
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Nos limites da terra, entrevista com Lester Brown

Já está difícil produzir mais alimentos por hectare, o que obriga a aumentar a área agrícola. Até quando?

A história do ambientalista Lester Brown, fundador do instituto Earth Policy, em Washington, e ex-analista da Secretaria de Agricultura do governo americano, começa numa pequena fazenda no sul de New Jersey, onde ele plantava tomates. Hoje com 77 anos, Brown ainda se orgulha de como aos 17 começou com o irmão mais novo, Carl, de 14, o cultivo que produziria 700 t de tomate numa safra particularmente boa em 1958. “Foi uma adolescência bem divertida”, lembra o economista, um dos responsáveis pela popularização da ideia de desenvolvimento sustentável nos Estados Unidos. Entrevista de Carolina Rosseti, em O Estado de S.Paulo.

Em 1974, Lester Brown fundou o Worldwatch Institute, primeiro centro de pesquisa do mundo dedicado a questões ambientais, do qual foi presidente por 26 anos. Estudioso de segurança alimentar, mudanças climáticas e energia renovável, ele foi eleito pela revista Foreign Policy um dos pensadores mais importantes de 2010. Na semana do Dia Mundial da Alimentação das Nações Unidas, segunda-feira, Brown falou com o Aliás sobre seu “plano B” para evitar um colapso dos recursos naturais do planeta

Parte do plano consiste em maneiras sustentáveis para dar de comer a 8 bilhões de pessoas em 2050. “Só hoje à noite teremos mais 219 mil pessoas no jantar”, preocupa-se. “Os fazendeiros não estão dando conta dessa demanda, pressionados pelas mudanças do clima e a falta de água para irrigação. Neste ano esperávamos uma melhora, mas de novo os estoques de grãos estão baixos e os preços, altos. A escassez pode ser o novo normal.”

Com um livro publicado no começo do ano, World on the Edge, pela editora W. W. Norton & Company, elogiado pelo ex-presidente Bill Clinton (“Devemos prestar atenção aos conselhos de Lester Brown”), o economista já trabalha em outros dois: um estudo sobre energias renováveis e uma autobiografia com lições tiradas da fazenda em New Jersey, onde os tomates deram lugar à soja, “para alimentar os chineses”.

A geopolítica da escassez
“No final de 2007 e início de 2008, a provisão de alimentos estava apertada e os preços dos grãos subiram drasticamente. Alguns dos principais produtores reduziram as exportações para manter o custo nacional sob controle. Rússia e Argentina, grandes exportadores de trigo, restringiram as vendas; Vietnã, o segundo maior exportador de arroz, proibiu a exportação por meses. Muitos países que dependem da importação de alimentos perceberam que não podem mais contar com o mercado. Foi então que, em 2008, Arábia Saudita, China, Coreia do Sul, começaram a comprar ou arrendar terra em outros países, particularmente na África, mas também na América Latina e Sudeste da Ásia, a fim de produzir alimentos para si. Os principais destinos de compra foram Etiópia e Sudão, onde milhões de pessoas são sustentadas com comida do Programa Mundial de Alimentos da ONU. A competição por terra e água em nível internacional é uma manifestação precoce da nova geopolítica da escassez. Essa não parece ser uma situação temporária, mas uma que pode se prolongar indefinidamente. No ano passado, depois da onda de calor na Rússia houve uma grande redução da colheita de grãos e os preços dispararam de novo. Em 2011, estávamos com a expectativa de restabelecer os estoques. Como os preços estavam altos na época do plantio, produtores plantaram mais e usaram mais fertilizantes que no ano anterior. Ainda assim, não conseguiram dar conta da demanda e os estoques de grãos continuam e o baixos e os preços, altos. Estamos mais vulneráveis a mudanças climáticas e ao impacto de desastres naturais sobre as plantações. Nessa situação instável, um novo mecanismo para estabilizar os preços de grãos é necessário. Talvez algo como um Banco Mundial de Alimentos, que poderia garantir alguma estabilidade. Seria uma reserva internacional de grãos, para regulamentar o sobe e desce dos preços dos alimentos. Um órgão independente, multilateral, com representantes dos países produtores e exportadores de alimentos. É uma ideia.

Alimentando 8 bilhões
“Durante a maior parte do último meio século, os Estados Unidos tiveram um superávit de grãos e a Secretaria de Agricultura pagava aos produtores para que não plantassem em toda a extensão de suas propriedades. A quantidade de hectares posta de lado era ajustada todo ano de acordo com o mercado. Se uma monção na Índia ou uma seca na antiga União Soviética forçasse a subida do preço de grãos, os americanos retomavam o cultivo das terras em stand-by e a situação se estabilizava. Mas agora produzimos no limite da capacidade. Não há mais terra fértil ociosa e desocupada nos Estados Unidos. Perdemos a margem de segurança na economia mundial de alimentos. Não há mais jeito fácil de aumentar a produção quando os estoques encolhem. Os fazendeiros não estão dando conta da demanda, pressionados ainda pelas mudanças no clima e a falta de água para irrigação. São 80 milhões de pessoas a mais por ano no mundo, o que significa que só hoje à noite precisamos abrir espaço para 219 mil pessoas na mesa de jantar. Em 2050, serão 8 bilhões, segundo a ONU. Além do crescimento populacional, muita gente, particularmente na China, está tentando subir na cadeia alimentar e consumir mais grãos, carne, ovos e leite. Esse cenário, em que nunca temos o suficiente e o preço dos alimentos é flutuante, mas com uma tendência de alta, pode se tornar crônico. A escassez então seria o novo normal. Isso pressionará ainda mais as família de baixa renda, que hoje já gastam de 50% a 70% de seu dinheiro em comida. Nas décadas finais do século passado o número de pessoas com fome estava em declínio, caindo para o patamar de 825 milhões na virada do século. Mas no início do século 21, com o aumento do preço dos alimentos e a escassez nos celeiros do mundo, a fome voltou a crescer, atingindo hoje o desastroso recorde de 1 bilhão de pessoas.

Índia e China, bolhas de ‘overpumping’
“Os países em situação mais preocupante são Índia e China. Em breve a Índia sofrerá uma queda na produção de alimentos. Segundo o Banco Mundial, 175 milhões de indianos (e 130 milhões de chineses) dependem de grãos produzidos com overpumping, a superexploração dos lençóis freáticos responsável por uma bolha de produção de alimentos que explodirá quando os aquíferos se esgotarem. A produção vai cair ao nível sustentável de acordo com a capacidade hídrica da Índia, que é inferior ao necessário para alimentar 1,1 bilhão de pessoas. O que a China está tentando, desesperadamente, é se manter mais ou menos autossuficiente na produção de grãos, com sacrifício da produção de soja e investimento em outros cultivos. Por ano, os chineses consomem 70 milhões de toneladas de soja – não só como tofu, mas principalmente como ração de aves e porcos – e só produzem 14 milhões. Por isso em quase todo o Ocidente planta-se mais soja que trigo ou milho. No Brasil, a produção de soja é maior que a de todos os outros grãos juntos. Nos Estados Unidos temos mais soja que trigo. Na Argentina a situação é ainda pior e a proporção chega ao dobro em relação aos demais grãos. O país virou praticamente uma monocultura de soja. E como é difícil aumentar o rendimento da produção de soja por hectare, só conseguimos mais soja ampliando a área de plantio.

Trabalhando a terra
“Nos países com agricultura avançada os fazendeiros estão alcançando os cientistas. Vemos isso na produção de arroz no Japão, um dos primeiros países a conseguir um aumento sustentável da produtividade de grãos. Depois de subir por um século, o rendimento por hectare de arroz no Japão não tem aumentado há 16 anos. Atingiu-se o limite. Na China o rendimento de grãos aumentou, mas podemos esperar um nivelamento similar ao Japão. O mesmo se dá na França, Inglaterra e Alemanha: o plantio de trigo também chegou ao limite da eficiência fotossintética. Mas hoje a palavra-chave é água. O mundo até que foi bem-sucedido em aumentar a produtividade da terra. De 1950 a 2010 triplicamos o rendimento de grãos por hectare, mas fizemos muito pouco para otimizar o uso de água.

Conselho a José Graziano, da FAO
“A FAO não é um braço forte das Nações Unidas e não tem um papel proeminente na economia mundial de alimentos como, por exemplo, a Organização Mundial da Saúde (OMS) tem no controle de doenças infecciosas. A FAO produz relatórios. Uma das coisas que José Graziano (brasileiro que será o próximo diretor da FAO a partir de 2012) precisa fazer é investir na educação e informar o mundo sobre o momento que vive a agricultura mundial, para mostrar como a água está escassa e como isso logo poderá se traduzir em escassez de comida. Ele precisa também focar na questão populacional. Há uma tradição de a FAO nunca mencionar a necessidade de mudança rápida para famílias menos numerosas, até porque isso aumenta o orçamento de outra agência e não o dela. Mas precisamos dar particular atenção aos 215 milhões de mulheres do Sul da Índia e África Subsaariana que não têm acesso a nenhum tipo de planejamento familiar. Graziano precisa falar sobre a relação entre mudanças climáticas e segurança alimentar. As decisões tomadas nos ministérios de energia têm mais efeito sobre o futuro da segurança alimentar do planeta que as tomadas nos ministérios de agricultura. Nos Estados Unidos, por exemplo, 124 milhões dos 400 milhões de toneladas de grãos produzidas foram para as destilarias de etanol em 2010. É uma situação totalmente nova. Quem está no topo da FAO terá responsabilidade de trabalhar com os ministérios de energia, transporte, meio ambiente e recursos hídricos, não só os da agricultura. Uma abordagem estreita e tradicional do dilema da segurança alimentar do mundo pode ser, neste momento, desastrosa.

Controlando as porções
“Em paralelo a tudo isso que discutimos, há importantes revoluções alimentares acontecendo no mundo em âmbito local. A pressão por produtos mais frescos, saborosos, nutritivos e saudáveis está crescendo. A produção local de alimentos ganha atenção nos Estados Unidos. Soluções como as hortas urbanas e as feiras de pequenos produtores estão, felizmente, se expandindo há anos. Tem gente que brinca que, com o aumento do preço do petróleo, as enormes saladas ceasar estão com os dias contados aqui na costa leste dos EUA, pois a alface vem da Califórnia e vai chegar o dia em que essa viagem se tornará cara demais. Em parte isso é verdade. Outro ponto importante é a questão do desperdício. Há meio século falamos sobre a necessidade de reduzi-lo. Sabe-se que grande parte do desperdício de alimentos se dá na estocagem por causa de celeiros ruins, sujeitos a chuva e insetos. Mas há outras formas de desperdício. Os restaurantes americanos servem pratos enormes como se ainda fôssemos uma nação de trabalhadores braçais, quando, na verdade, somos um país de funcionários de escritório. Ou o excedente vai para o lixo ou a pessoa come mais do que precisa, o que é também uma forma de desperdício. E aí temos outro grave problema que atinge tanto países desenvolvidos quanto subdesenvolvidos: a obesidade.

EcoDebate, 25/10/2011



Escrito por Marta Martinz às 11h53
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Importante! 3)

A importância da educação infantil

Sumário das conclusões e recomendações do Grupo de Trabalho sobre Educação Infantil

RECOMENDAÇÕES

Atenção à infância: é importante investir na educação durante os primeiros anos

Estabelecer políticas integradas e flexíveis de atendimento às famílias com crianças pequenas, conforme suas diferentes circunstâncias e necessidades, visando assegurar o direito a condições básicas de se desenvolver. Estas políticas devem minimizar o efeito dos fatores de risco, entre os quais a condição social e econômica de seus pais. Famílias em condições críticas, especialmente em relação à violência, pobreza extrema, ambientes tóxicos, e monoparentais, requerem atendimento diferenciado.

Desenvolver políticas públicas que apoiem as mães na educação e no desenvolvimento dos seus filhos.

DIncorporar no atendimento pré e pós-natal dos serviços de saúde pública e da assistência familiar já existentes as dimensões de desenvolvimento cognitivo e linguístico das crianças. Inovações tecnológicas no tratamento de epidemias e a acentuada queda da taxa de fecundidade abrem espaço para que a estrutura física e os recursos humanos da área de saúde sejam mobilizados para estimular o desenvolvimento cognitivo que é precário em boa parte das famílias brasileiras, principalmente aquelas provenientes de famílias de baixa condição socioeconômica. Tanto a evidência da neurobiologia quanto a da economia apontam altos retornos para essa realocação de recursos na fase inicial da vida. Para tanto, será importante incentivar e capacitar os profissionais da área, especialmente os profissionais da saúde.

Dar prioridade para o diagnóstico precoce de condições que afetam o desenvolvimento posterior da criança, tanto na linguagem quanto na sociabilidade. Propiciar tratamentos adequados para as crianças com necessidades especiais, tais como déficits auditivos, visuais, e crianças que possam ser incluídas no espectro autista.

Estabelecer, para as creches e pré-escolas, mecanismos de regulação que assegurem a qualidade dos atendentes, proporção adequada entre adultos e crianças, equipamentos, livros e infraestrutura, de modo a promover o desenvolvimento integral da criança incluindo o seu desenvolvimento linguístico e lógico-matemático, e atitudes que favoreçam uma posterior escolarização bem- sucedida.

Desenvolver programas de capacitação e certificação de educadores da primeira infância de nível médio e superior que levem em conta os conhecimentos científicos sobre os fatores que promovem o desenvolvimento infantil.

Estimular programas para promover o hábito da leitura em casa.

Alfabetização: devem ser utilizados métodos baseados em evidência científica

Levar em consideração a evidência científica e as orientações oficiais dos países mais avançados com relação à importância de adoção de políticas, materiais e métodos adequados de alfabetização. Ainda não há estudo nacional semelhante.

Tomar como referência os estudos sobre a neurobiologia da aprendizagem para se repensar a prática educacional. O melhor conhecimento dos circuitos neurais para a expressão e entendimento verbal, aquisição da habilidade da leitura e manutenção dos mecanismos atencionais e estratégia de aprendizagem são importantes para estabelecer processos mais eficientes de alfabetização.

Reforçar a importância da estimulação da capacidade de decodificação fonológica, no início da alfabetização, independentemente da intervenção escolhida para o ensino da leitura.

Estabelecer orientações, currículos e programas de ensino de alfabetização que levem em consideração a evidência acima.

Estabelecer critérios, indicadores ou expectativas para indicar que o aluno foi alfabetizado até no máximo 7 anos de iddde.

Estabelecer políticas de adoção e aquisição de livros e materiais didáticos que estimulem a provisão de materiais ricos e variados adequados para ensinar, de forma consistente, as múltiplas competências associadas ao processo de alfabetização.

Incluir, nos programas de ensino das pré-escolas, competências que facilitem e preparem o aluno para o processo de alfabetização.

Estimular a leitura em voz alta, considerando que isso contribui para a ativação da área cerebral relacionada ao processamento auditivo, favorecendo o desenvolvimento da capacidade da associação fonema-grafema.

Estabelecer políticas e assegurar recursos para criar e manter atualizadas bibliotecas escolares e bibliotecas de sala de aula.

Pesquisa e formação profissional:

a formação de profissionais para a pré-escola e as séries iniciais deve ser alinhada às necessidades específicas da primeira infância e da alfabetização

Estimular o desenvolvimento de pesquisas através da formulação de experimentos e levantamento sistemático de dados que explorem o relacionamento da dimensão neurobiológica e psicológica com a educação. Determinar os custos e os benefícios de diferentes intervenções voltadas para o desenvolvimento infantil.

Criar centros de ensino e formação de profissionais para apoio às instituições que cuidam da primeira infância.

Rever as orientações sobre formação de professores alfabetizadores, assegurando que essa formação seja feita de forma teórica e prática e em consonância com princípios científicos atualizados consistentes com a ciência cognitiva da leitura.

http://www.schwartzman.org.br/sitesimon/?p=2552&lang=pt-br&utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+SimonsSite+%28Simon%27s+Site%29



Escrito por Marta Martinz às 10h10
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Importante! 2)

A importância da educação infantil

Sumário das conclusões e recomendações do Grupo de Trabalho sobre Educação Infantil

O PROBLEMA

• O desempenho educacional das crianças brasileiras é muito inadequado. Resultados da Avaliação Brasileira do Final do Ciclo de Alfabetização, a Prova ABC, avaliação do movimento Todos pela Educação divulgada em agosto de 2011, mostram que 57,2% dos estudantes do terceiro ano do ensino fundamental, o que corresponde a antiga segunda série, não conseguem resolver problemas básicos de matemática, como soma ou subtração. Resultados semelhantes são encontrados na avaliação dos estudantes brasileiros no Programa International de Avaliação de Estudantes da OECD, PISA.
• Dificuldades de linguagem são associadas às de processamento matemático e de lógica. Falhas na alfabetização dificultam a incorporação de conhecimentos importantes para o desenvolvimento profissional.
• Embora o número de alunos no ensino médio venha aumentando de forma significativa nos últimos 20 anos, menos de 60% dos jovens de uma coorte conseguem concluí-lo, porém este número tem se estabilizado. Uma fração ainda menor ingressa no ensino superior.

CAUSAS

• Parte do problema se deve tanto à falta de recursos e má utilização destes, quanto à ausência de uma política nacional eficaz de atração, seleção e retenção de melhores professores. Outra parte ao descompasso entre as políticas específicas de atenção às crianças (antes da escola e na alfabetização) e as recomendações que decorrem de evidência científica internacional.
• De acordo com a neurobiologia, sabe-se que o desenvolvimento mais acentuado da estrutura cerebral (volume e maturação cerebral e, notadamente, sinaptogenese) ocorre nos primeiros anos de vida. Consequentemente, este é um período sensível para o desenvolvimento das habilidades envolvidas no processo de aprendizagem da linguagem. Eventual atraso na estimulação dessa habilidade poderia implicar perda do melhor momento para o desenvolvimento do reconhecimento da relação grafema-fonema, tão importante para a leitura, no futuro, de palavras desconhecidas. Este fato tem sido ignorado na formulação de políticas públicas de educação.
• Essa evidência se complementa pelos estudos em economia que mostram a grande rentabilidade de investimentos que ocorrem na mais tenra idade e produzem habilidades, que são utilizadas para acumulação de outras habilidades (“habilidade produz habilidade”). Por exemplo, é muito difícil formar um engenheiro que não tenha desenvolvido habilidades básicas de álgebra. Estudos recentes mostram que investimentos que ocorrem entre os três e quatro anos de idade têm uma taxa de retorno de 17% ao ano, enquanto alguns programas de recuperação tardia apresentam retornos que são nulos e muitas vezes negativos (custo maior do que o benefício).



Escrito por Marta Martinz às 10h07
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Importante! 1)

 

A importância da educação infantil

Na quarta feira dia 26 de outubro serão publicados, finalmente, os resultados dos trabalhos do grupo de estudos sobre educação infantil instituido pela Academia Brasileira de Ciências em 2008 com a participação de especialistas em neurobiologia, economia e psicologia do desenvolvimento cognitivo. A publicação coincide com um seminário internacional sobre a experiência internacional e brasileira em aprendizagem infantil, realizado conjuntamente pela Academia e a Fundação Getúlio Vargas, cujos detalhes estão disponíveis aqui.

A evidência analisada pelo grupo de trabalho, resumida no texto abaixo, não deixa dúvida quanto à importância do desenvolvimento cognitivo dos primeiros anos no desempenho das pessoas ao longo da vida, dos benefícios econômicos dos investimentos nestes primeiros anos, e da importância dos métodos de alfabetização baseados no desenvolvimento da consciência fonológica por parte das crianças.

Dois desdobramentos importantes  não analisados pelo grupo decorrem destas conclusões, e requerem aprofundamento.

Primeiro, a educação infantil e pré-escolar se expandiu muito no Brasil na última década, mas sem mecanismos de acompanhamento e garantias de qualidade, e absorvendo recursos que talvez fossem melhor utilizados em outros níveis mais estruturados. Além de consumir recursos, existem evidencias de que educação infantil e pré-escolar de má qualidade pode ter efeitos danosos sobre as crianças. Qualquer política de expansão deste nível educacional deve estar centrada e apoiar ao máximo o relacionamento das mães com seus filhos, e zelar pela qualidade das creches e escolas.

Segundo, o que fazer com o grande estoque de jovens que não tiveram os estímulos e as oportunidades de uma boa educação nos primeiros anos, e que hoje mal conseguem terminar o ensino médio? As evidencias dos trabalhos de Heckman e outros mostram que os custos de recuperação escolar desta população no currículo convencional pode ser demasiado alto, e os resultados, duvidosos. Este é um forte argumento para a necessidade de pensar em caminhos alternativos e diversificados de estudo sobretudo a partir do ensino médio, proporcionando as competencias cognitivas e não cognitivas que possam ser adequadas para os diversos segmentos da população.

http://www.schwartzman.org.br/sitesimon/?p=2552&lang=pt-br&utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+SimonsSite+%28Simon%27s+Site%29

 



Escrito por Marta Martinz às 10h06
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Atenção!


          ONS alerta para impactos no sistema de transmissão

 

A nova configuração da hidrelétrica de Santo Antônio, no rio Madeira, para operar com 50 turbinas, aumentando sua geração para 3.568,8 megawatts (MW), também terá efeitos sobre o sistema de transmissão e conexão das duas usinas, que serão ligadas aoSistema Interligado Nacional (SIN). É o que informou Hermes Chipp, presidente do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) ao secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia, Altino Ventura Filho. Na correspondência com data de 14 de setembro, Chipp explica que o acréscimo de máquinas totalizando uma geração de 450 MW já autorizado para a usina praticamente esgota a margem de folga no sistema de transmissão projetado.

A reportagem é de Cláudia Schüffner e publicada pelo jornal Valor, 25-10-2011.

"O ONS entende que, tendo em vista o exposto no item 1 [acréscimo de máquinas de Jirau], no caso da UHE Santo Antônio, que compartilha com a UHE Jirau a mesma rede transmissão para escoamento de sua energia, a viabilização da expansão do número de máquinas em sua usina estará condicionada à implantação da expansão do sistema de transmissão associado, cuja definição da topologia é de responsabilidade da EPE", afirmaChipp, em trecho da carta obtida pelo Valor.

A polêmica entre os dois empreendedores também divide técnicos da própria Aneel. O Valor teve acesso a um documento no qual técnicos da área de regulação criticam posicionamento adotado pela superintendência de Gestão e Estudos Hidroenergéticos.

O "imbróglio" envolvendo as usinas do Madeira afeta simultaneamente três controladas da estatal Eletrobras. Enquanto Furnas tem 39% de Santo Antônio (junto com a Cemig, Odebrecht, Andrade Gutierrez e o FIP Amazônia), Chesf e Eletrosul têm 20%, cada uma, de Jirau, em sociedade com o grupo franco-belga GDF Suez Energy (50,01%) e com Camargo Corrêa (9,9%).

O presidente da Eletrobras, José da Costa Carvalho Neto, disse que a estatal está analisando "com cuidado" a disputa entre as empresas dizendo que a posição da holding é "equilibrada".

Costa marcou para a próxima semana uma reunião com todos os executivos e técnicos das duas empresas - incluindo os presidentes das três controladas estatais - e do Centro de Pesquisas em Energia Elétrica (Cepel).

"O melhor para nós vai ser o melhor para o Brasil. Estamos analisando a questão para ter uma avaliação técnica, econômica e financeira. Para nós interessa a maior disponibilidade de energia, desde que respeitados os contratos", disse ele ao Valor.

Quanto ao aumento de disponibilidade de energia no sistema elétrico brasileiro, Victor Paranhos, presidente da ESBR (dona de Jirau), disse que a empresa já propôs à Aneela análise de uma proposta de nova ampliação da usina para uma potência de 4.050 MW com a instalação de quatro máquinas, que elevariam para 54 o número de turbinas. Segundo o executivo, o projeto exigiria investimento adicional de R$ 600 milhões que elevariam a garantia física da usina em mais 82,15 MW médios.

"Na sociedade conosco [em Jirau], a Eletrobras vai perder 100 MW, enquanto terá que financiar esse mesmo volume de energia na outra usina a um preço bem maior. Para ter um benefício, ele tem que me prejudicar", afirmou Paranhos. 



Escrito por Marta Martinz às 09h55
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Chamada do Ex Blog Cesar Maia

 ESTADO DO RIO: HOMICÍDIOS OCULTOS PELAS ESTATÍSTICAS!
 
(Elio Gaspari - Folha de SP/Globo, 23) 1. O economista Daniel Cerqueira, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, o Ipea, concluiu um trabalho intitulado "Mortes violentas não esclarecidas e impunidade no Rio de Janeiro". Ele demonstra que, desde 2007, as estatísticas de segurança no Estado sofreram um processo de pacificação.  Segundo os números oficiais, os homicídios caíram de 7.099 em 2006 para 6.304 em 2007 e 5.064 em 2009. Beleza, uma queda de 28,7%.
     
2. Cerqueira foi atrás de outro número, o das mortes violentas provocadas por causas externas "indeterminadas". O cadáver vai ao legista e ele não diz se foi homicídio, acidente ou suicídio.  Até 2006, a taxa do Rio caía de 13 para 10 mortos para cada 100 mil habitantes. A do Brasil, de 6 para 5, onde permanece. Em 2007, início do governo de Sérgio Cabral, os "indeterminados" passaram a ser 20 para cada 100 mil habitantes. Em 2009 foram 22, ou seja, 3.615 almas. Com 8% da população do país, o Rio produziu 27% dos "indeterminados" nacionais.
     
3. A partir de 2007, os casos "indeterminados" cresceram e em 2009 chegaram a 538, um aumento de 263%. São Paulo, com uma população três vezes maior, registrou 145 casos.  Fazendo um teste com os "indeterminados" anteriores a 2006, o economista estimou que no Rio, na média, pacificavam-se 1.600 homicídios a cada ano. Em 2009, pacificaram-se 3.165. Com a palavra Daniel Cerqueira:
     
4. "Um último número chama a atenção por ser completamente escandaloso", diz Cerqueira. Num  exercício que não é da autoria de Cerqueira, se o Rio tivesse permanecido na taxa de "indeterminados" de 2006 e se 80% dos pacificados de 2009 fossem classificados como homicídios, a feliz estatística daquele ano passaria de 5.064 para 7.956 mortos.



Escrito por Marta Martinz às 09h41
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




INTERNET
Redes sociais ameaçam os "Ibopes" do mercado

Com redução de custos, maior acerto e rapidez, sites tiram fatia de institutos tradicionais



Escrito por Marta Martinz às 09h34
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




TI INSIDE

Negociações
Governo intensifica procura por parceiros locais para fábrica de telas de LCD

O empresário Eike Batista, do grupo EBX, foi recebido pela presidente Dilma Rousseff para discutir uma possível parceria com a Foxconn. Intenção do governo é avançar as negociações com dois sócios tecnológicos, que seriam Positivo e Semp Toshiba, e a EBX como sócio estratégico



Escrito por Marta Martinz às 09h31
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Vereadora Sonia Rabello

soniarabello.blogspot.com
Está na pauta de votação de hoje, na Câmara de Vereadores do Rio, a 2ª e última parte do processo de votação da autorização do Legislativo para que o Executivo doe à General Electric a ponta da Ilha do Fundão – a ilha de Bom Jesus. Na política de incentivos, isenções e doações públicas , todo o cuid...



Escrito por Marta Martinz às 09h29
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Com a privatização da saúde aqui no Estado do Rio de janeiro temos o péssimo exemplo. Sórdido!

Medicina está sendo reduzida às questões econômicas

Medicina está sendo reduzida às questões econômicas

Segundo os pesquisadores, essa redução da Medicina à Economia vai afastar profissionais realmente focados no humanismo, transformando os profissionais da saúde em burocratas seguidores de regras pré-estabelecidas para darem maior lucro.[Imagem: Wikimedia]

Em uma denúncia contundente e alarmante, dois médicos britânicos alertam que a Medicina está sucumbindo à Economia. Leia mais...

...

"Os pacientes não são mais pacientes, são 'consumidores' ou 'clientes'. Os médicos e enfermeiros foram transformados em 'fornecedores'," afirmam Pamela Hartzband e Jerome Groopman em um artigo no conceituadoNew England Journal of Medicine.

Curandeirismo moderno

"Reduzir a medicina à economia faz uma paródia do vínculo entre o curandeiro e os doentes," escrevem os pesquisadores.

"Por séculos, os médicos mercenários têm sido publicamente e devidamente castigados. Esses médicos traem seu juramento. Devemos nós agora elogiar o médico cuja prática, como um negócio bem-sucedido, maximiza os lucros obtidos de seus 'clientes'?" questionam eles.

Nesse novo mundo da "Medicina Econômica", economistas e políticos querem que a prática da Medicina se reduza a seguir alguns manuais de instruções contendo orientações pré-estabelecidas.

Mas essas orientações, argumentam os estudiosos, são preferências subjetivas escolhidas por quem elabora as normas, e não conclusões científicas.

Normas subjetivas

Eles citam como exemplo o fato de que diferentes grupos de especialistas traçam guias de orientação diferentes partindo dos mesmos dados e dos mesmos experimentos científicos.

E isso em questões que vão dos cuidados com a hipertensão e o colesterol alto até os exames preventivos para câncer de próstata e câncer de mama.

Nos casos dos cânceres de mama e próstata, por exemplo, inúmeros estudos afirmam que o rastreamento não produz os benefícios apregoados, mas as organizações médicas orientam exames cada vez mais precoces.

Quando são colocados para debater, a discussão dá razão aos dois estudiosos, acabando em questões econômicas: os defensores de uma posição dizem que os outros querem ganhar dinheiro com mais exames, enquanto os defensores da outra posição dizem que o outro lado quer economizar dinheiro para os planos de saúde.

E os estudos científicos são deixados de lado.

...

http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=medicina-reduzida-questoes-economicas&id=7051&nl=nlds



Escrito por Marta Martinz às 09h26
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Abrace defende alternativas ao invés de investimentos de até R$ 4 bi para a Copa de 2014

24/10/2011 - Presidente da entidade alerta para possível repasse às tarifas e sugere desconto no custo da energia ou férias coletivas para reduzir o consumo

...

Segundo Paulo Pedrosa, presidente-executivo da associação, o evento da Copa é pontual e por si só não justifica a antecipação de investimentos em ativos que ainda não são necessários pelos padrões atuais de consumo.

Estimativas do mercado indicam que são necessários investimentos da ordem de R$ 4,7 bilhões no sistema elétrico brasileiro para evitar apagões durante os jogos. A maior parte desses recursos, em torno de R$ 3,4 bilhões, deve ser destinada aos sistemas de distribuição. Pedrosa alerta que esses investimentos devem ser repassados às tarifas de todos os consumidores, pressionando ainda mais os custos da energia no país. O presidente da Abrace defende medidas como a oferta de descontos no custo da energia para empresas que programassem paradas de manutenção ou férias coletivas durante os jogos, reduzindo o consumo. A participação seria sempre voluntária e poderia ser colocada em prática por meio de leilões de demanda.

http://www.canalenergia.com.br/zpublisher/materias/Newsletter.asp?id=85857



Escrito por Marta Martinz às 09h20
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Europa e EUA consomem 3 vezes mais aço que Brasil


O consumo de aço no Brasil é um terço do registrado na Europa e nos Estados Unidos, de acordo com levantamento do ICZ (Instituto de Metais Não Ferrosos).
A média de utilização do metal no Brasil é de cem quilos por ano, por habitante. Entre os países desenvolvidos, por sua vez, esse índice chega a cerca de 300 quilos.
A diferença na quantidade de consumo do produto é uma questão cultural, segundo Gilberto Campos, do Crea-SP (Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de São Paulo).
"A construção civil brasileira tem se baseado muito no concreto nas últimas décadas. Um dos maiores legados da Copa do Mundo e da Olimpíada deve ser o uso de novos equipamentos e materiais, como o aço", afirma Campos.
A estimativa de utilização do metal para as obras dos grandes eventos esportivos é de 5,8 milhões de toneladas, sendo 4,5 milhões apenas para os Jogos Olímpicos.
"A construção em aço permite uma velocidade maior, o que é fundamental neste momento", diz Eduardo Gomes, vice-presidente do ICZ.
Para a ABCP (Associação Brasileira de Cimento Portland), porém, a maior utilização de aço não deve prejudicar as vendas de cimento nos próximos anos.
"A produção do metal ainda não é realizada em escala tão grande no Brasil. A construção civil competiria com a indústria automobilística e os custos ficariam mais elevados", afirma Mario Esper, gerente da entidade (Folha de S.Paulo, 24/10/11)



Escrito por Marta Martinz às 08h39
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




www1.folha.uol.com.br
Em todo o mundo, foram entregues para comercialização 13,6 milhões de tablets, contra 7,3 milhões de nebooks.



Escrito por Marta Martinz às 08h37
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Ministério da Justiça prepara estatuto para segurança privada

...

Um texto preliminar preparado pela Polícia Federal, órgão responsável pela fiscalização da segurança privada no país, está sendo analisado pela Secretaria de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça. O projeto ainda será encaminhado à Presidência da República e, posteriormente, ao Congresso Nacional, para ser aprovado.

“A segurança privada tem um papel importante, mas tem que ser um papel muito bem marcado por regras, por normas e por condições que possam fazer dela uma atividade segura e bem fiscalizada pelo Poder Público”...



Escrito por Marta Martinz às 08h33
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Jornal do Commercio

 

Multinacional NKTF investe US$ 200 milhões no Rio de Janeiro

A empresa dinamarquesa NKT Flexibles (NKTF) instalará uma unidade de produção de tubos flexíveis no estado do Rio de Janeiro para apoio da indústria offshore no Superporto do Açu, em construção em São João da Barra. O investimento previsto no território fluminense é de US$ 200 milhões, com geração de 400 empregos diretos

 



Escrito por Marta Martinz às 08h24
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




'POLÍTICA PARA A GASOLINA TRAVA AVANÇO DO ETANOL'

Para executivo americano, política brasileira para a gasolina inibe novos investimentos no País, o que não ocorreu nos EUA 

Em cinco anos, a produção de etanol nos Estados Unidos passou de 14,7 bilhões para 53,4 bilhões de litros. Nesse mesmo período, a produção brasileira ficou estagnada em torno de 30 bilhões de litros. Além disso, o etanol americano, feito de milho, ganhou competitividade e praticamente igualou os custos de produção com o brasileiro, feito de cana-de-açúcar. O resultado disso é que o Brasil, que durante anos lutou pela derrubada de subsídios americanos para poder exportar etanol para os EUA, agora importa o produto daquele país. Para o presidente da associação dos produtores dos EUA, Robert Dinneen, essa inversão é resultado da política para os combustíveis. Como o mercado é livre nos EUA, o aumento do preço do petróleo e, consequentemente, da gasolina, tornou o etanol mais competitivo, incentivando investimentos no setor. No Brasil, como o preço da gasolina é regulado, os produtores não tiveram tal incentivo, e os investimentos praticamente sumiram depois de 2008. 

"Não se verá mais uma demanda adicional aparecendo, nem novos investimentos em etanol no Brasil", afirmou Dinneen, em entrevista por telefone à Agência Estado. Segundo ele, os Estados Unidos têm condições de suprir as necessidades de importação brasileira do produto. Executivos do setor no Brasil, no entanto, afirmam que a importação de etanol dos EUA será um processo pontual, já que as usinas brasileiras voltaram a investir no aumento da produção. A seguir, os principais trechos da entrevista de Dinneen:

Qual o custo de produção do etanol de milho hoje? Ele está competitivo em relação ao etanol de cana do Brasil? 

O custo líquido de produção é de cerca de US$ 2,35 por galão, ou US$ 0,62 por litro (1 galão equivale a 3,79 litros). Com o dólar cotado a R$ 1,85, o custo do etanol de milho é semelhante ao do etanol de cana produzido no Centro-Sul do Brasil. 

Em 2005, a produção de etanol de milho dos EUA era de 14,7 bilhões de litros, e chegou a 52 bilhões de litros em 2011, ultrapassando até o mandato obrigatório para este ano, de 47,75 bilhões de litros. Além disso, superou em pouco mais de 5 anos a produção brasileira (que deve atingir cerca de 30 bilhões de litros em 2011/12). O que levou a indústria de etanol de milho a crescer de forma tão expressiva? Não há dúvida que as metas de mistura estabelecidas pelo Renewable Fuels Standard (o Padrão de Combustíveis Renováveis dos EUA, que define metas de mistura de etanol na gasolina anualmente, conhecido pela sigla RFS) foi um grande incentivo para o aumento de produção. O RFS prevê meta de 12,6 bilhões de galões (47,75 bilhões de litros) para 2011 e de 15 bilhões de galões (57 bilhões de litros) para 2015. Mas a forte alta do petróleo foi certamente o principal ator dessa expansão, tornando o etanol de milho mais competitivo e elevando a demanda do combustível renovável. No Brasil, onde os preços da gasolina são controlados pelo governo, não haverá o aparecimento dessa demanda adicional. 

Então o senhor acredita que os preços congelados da gasolina são um obstáculo para a indústria do etanol de cana do Brasil? 

Certamente. Se não fosse o preço da gasolina, mantido artificialmente baixo no Brasil, os preços do etanol iriam variar de acordo com a demanda e encorajariam novos investimentos. Atualmente, o Brasil está precisando até importar etanol dos Estados Unidos... 

E os Estados Unidos têm esse etanol extra para atender a essa demanda brasileira? 

Sim, hoje temos uma produção acima da demanda obrigatória. Devemos exportar para o Brasil cerca de 945 milhões de litros em 2011, de um total de 3,4 bilhões de litros que vamos exportar também para outros destinos. Em relação ao Brasil, acredito que os EUA poderão sustentar esse nível de exportação nos próximos anos, se os preços forem atraentes. Hoje a Califórnia paga um prêmio para o etanol de cana do Brasil, o que pode criar um padrão regular de negócios, onde o etanol de milho americano é exportado para o Brasil para compensar os volumes de etanol de cana que serão exportados do Brasil para os Estados Unidos, para atender à demanda criada pelos Padrão de Combustível Renovável e do Padrão de Combustíveis de Baixo Carbono da Califórnia. Esses mecanismos preveem a utilização de volumes crescentes de etanol avançado, que polui menos. E o etanol de cana atende as exigências desses mecanismos. 

Além do Brasil, que outros países estão precisando de etanol no curto prazo? 

A União Europeia continuará a ser o principal destino das exportações de etanol dos EUA, em função da Diretiva de Energia Renovável, que requer que um porcentual do combustível utilizado para transporte na UE seja renovável. O Canadá também tem um programa de combustíveis renováveis. Também estamos vendo demanda de lugares inesperados. Um exemplo são os Emirados Árabes, que estão importando etanol dos EUA pelos últimos dois anos para tender o programa nacional de gasolina oxigenada. 

E os Estados Unidos devem investir para elevar a produção e atender a demanda exportadora, como a do Brasil? 

Existem poucos projetos de expansão sendo realizados no momento, o crescimento em capacidade de produção é pequeno. Isso porque a capacidade de produção existente está muito próxima do "teto da mistura", ou seja, a produção atual está perto ou acima do nível máximo de etanol que pode ser misturada à gasolina nos Estados Unidos, que é 10% para todos os veículos convencionais. A agência de proteção ambiental do governo, a Epa, recentemente aprovou o uso de mistura de 15% de etanol (E15)em alguns veículos, mas várias questões regulatórias ainda devem ser feitas antes que se espere um uso generalizado do E15. 

Os subsídios que o etanol de milho recebe também não foram importantes para a expansão da produção americana? 

O subsídio existe para as refinarias que misturam o etanol de milho na gasolina, e não para os produtores de etanol. As refinarias recebem US$ 0,45 por galão. Anualmente, esse subsídio atinge US$ 6 bilhões por ano, mas não chega aos produtores de etanol de milho. De qualquer forma, esse subsídio expira em 31 de dezembro de 2011 e não será renovado. Mas os subsídios não foram os impulsionadores do aumento da demanda por etanol, e sim os preços elevados do petróleo. E foi a maior demanda que incentivou o aumento de produção (O Estado de S.Paulo, 20/10/11)

 

 

 



Escrito por Marta Martinz às 08h24
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




ABCR critica o processo de adoção de pedágios comunitários
Para entidade nacional de concessionárias, Estado está na contramão de tendência mundial

Os contratos de concessão de sete polos de pedágios gaúchos acabam em 2013 e o governo do Estado já sinalizou a posição de não prorrogá-los. Uma possibilidade estudada para substituir o modelo atual é a adoção de pedágios comunitários

http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=76774&fonte=nw



Escrito por Marta Martinz às 08h20
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Contas Públicas
Dívida pública federal
supera R$ 1,8 trilhão



Escrito por Marta Martinz às 08h17
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




 

O Estado de S.Paulo

 

Incentivos perdulários

 

O governo federal deverá destinar no próximo ano R$ 146 bilhões a atividades, empresas e setores por meio de incentivos fiscais

O Estado de S.Paulo

O governo federal deverá destinar no próximo ano R$ 146 bilhões a atividades, empresas e setores por meio de incentivos fiscais. Esse valor corresponderá a quase um quinto da receita prevista. Em 2002, correspondia a 11,6%. Desde o primeiro governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003, a distribuição desse tipo de benefícios cresceu muito mais que o Orçamento-Geral da União e muito mais, também, que a economia nacional. Em princípio, deveria ter ajudado a economia a expandir-se e a modernizar-se. A expectativa desses bons efeitos geralmente justifica a concessão de estímulos custeados pelo Tesouro, isto é, pelo contribuinte. Essa alegação é usada mesmo quando se trata de mera distribuição de favores. Serve para manter as aparências. Mas terão esses incentivos contribuído, de forma significativa, para tornar a produção brasileira mais eficiente e mais moderna? A resposta, de modo geral, é negativa. Então, o enorme volume de benefícios outorgado a empresas e setores selecionados resultou basicamente em desperdício de recursos federais - um desperdício previsível, na maior parte dos casos, e explicável por um estilo voluntarista de gestão.

"Os incentivos são cada vez mais usados, mas são medidas pontuais, sem planejamento de longo prazo, e sua eficácia é questionável", disse ao Estado o consultor da Câmara dos Deputados Marcelo Sobreiro Maciel, autor de um estudo sobre os estímulos fiscais.

O controle desse tipo de gasto é insuficiente, segundo o consultor, porque os critérios são mal definidos e as informações fornecidas pelo Executivo são insuficientes desde a apresentação da proposta de lei orçamentária. No Congresso, há pouca ou nenhuma resistência a essa distribuição de favores. Ao contrário: a tendência dos parlamentares é ampliar a lista dos beneficiários.

Técnicos do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) confirmam as avaliações negativas. Renúncias fiscais devem custar ao Tesouro, neste ano, R$ 137,2 bilhões, segundo um levantamento recém-divulgado. Esse total inclui incentivos a setores e a empresas e também benefícios destinados à "área social", calculados em R$ 43,5 bilhões. Os critérios para esses gastos "sociais" - tecnicamente, uma renúncia é um gasto - são pouco claros e, além disso, há pouco debate sobre essas políticas.

São pouco claros, também, os critérios seguidos para a concessão de benefícios fiscais a atividades, empresas e setores. Os benefícios para a economia nacional são no mínimo discutíveis, segundo análises produzidas pelo pessoal do Ipea. A chamada Lei do Bem, por exemplo, parece ter sido um fracasso como estímulo à pesquisa e ao desenvolvimento de tecnologias. Na indústria de transformação, 70,3% dos gastos desse tipo, em 2008, foram realizados nos setores automobilístico, aeronáutico e de petróleo, já empenhados, tradicionalmente, na produção, na absorção e na adaptação de tecnologias. Se a intenção dos autores da lei era envolver mais indústrias nessas atividades, o resultado foi decepcionante.

Também a Lei de Informática produziu efeitos muito menores que os pretendidos, segundo avaliação realizada no ano passado pela Unicamp e pelo Ministério de Ciência e Tecnologia e citada pelo Estado. De acordo com o relatório, os incentivos "não têm levado a uma maior participação da indústria brasileira no mercado global de tecnologia da informação e comunicação". Também não têm impedido o crescimento do déficit comercial do setor nem têm resultado em aumento do número de publicações acadêmicas na área.

Algumas conclusões parecem claras. O governo brasileiro tem sido incapaz de formular com eficiência e realismo políticas de desenvolvimento setorial. A concessão de incentivos tem resultado, em grande parte, de mero voluntarismo e de um intervencionismo gratuito. As medidas enfeixadas no Plano Brasil Maior, confirmam esse diagnóstico. Enquanto se desperdiça dinheiro com incentivos mal concebidos, a maior parte das empresas continua esmagada pela tributação irracional e pelos custos associados à infraestrutura deficiente e a outras desvantagens desconhecidas de seus concorrentes.



Escrito por Marta Martinz às 08h15
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Gazeta do Povo – PR

 

Dilma prorroga Zona Franca de Manaus por 50 anos

 

Anúncio foi feito durante cerimônia de inauguração da ponte sobre o Rio Negro, no dia em que a capital amazonense completa 342 anos



Escrito por Marta Martinz às 08h12
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Panamericano pagou bônus a executivos

 

Pouco antes de a Caixa comprar 49% do banco, instituição distribuiu R$ 15,3 milhões para aqueles que quebraram o Panamericano



Escrito por Marta Martinz às 08h11
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Cresce o valor exportado por micro e pequenas empresas

 

Segmento representa mais de 60% dos estabelecimentos que mantém negócios com outros países. Calçados, vestuário, pedras preciosas ou semi, móveis e autopeças são os produtos mais vendidos para o exterior



Escrito por Marta Martinz às 08h09
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




ÍNDICE UV

O índice ultravioleta (IUV) mede o nível de radiação solar na superfície da Terra. Quanto mais alto, maior o risco de danos à pele e de aparecimento de câncer. Veja abaixo a relação entre o índice e os cuidados a tomar.


Índice UV - 11

Rio de Janeiro

25/10/2011 06:00

O que fazer

http://tempo.folha.com.br/iuv/



Escrito por Marta Martinz às 08h07
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




EBX e Orascom farão fábrica de fertilizantes de US$ 3 bi no RJ

...

A unidade industrial terá capacidade para produzir cerca de 3 milhões de toneladas por ano de fertilizantes nitrogenados, tipo de adubo que utiliza grande quantidade de gás natural em seu processo de produção.

"O projeto constitui um marco no caminho para tornar o Brasil um produtor e consumidor autossuficiente de fertilizantes nitrogenados, melhorando, assim, a confiabilidade e disponibilidade de suprimento de fertilizantes estratégicos para a agroindústria nacional", informou o comunicado do Grupo EBX.

O Brasil, um dos maiores produtores agrícolas do mundo, importa a maior parte do fertilizante que utiliza nas lavouras, pela falta de produção local.

O complexo da EBX com a OCI ficará no porto do Açu, no norte fluminense, e segundo a holding de Eike Batista fornecerá boas condições para o escoamento da produção para as principais regiões de produção agrícola do país.

...

Segundo o grupo EBX, o porto do Açu permite acesso às três maiores regiões agrícolas brasileiras (Sul, Sudeste e Centro-Oeste), que respondem por 87% da produção agrícola do país.

http://www1.folha.uol.com.br/mercado/995966-ebx-e-orascom-farao-fabrica-de-fertilizantes-de-us-3-bi-no-rj.shtml



Escrito por Marta Martinz às 07h55
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O que será que será... que andam combinando nos breus das docas?

Governo prepara pacote de isenção fiscal para teles

O ministro Paulo Bernardo (Comunicações) adiantou que dentre os impostos que serão reduzidos estão o IPI, o PIS e o COFINS

...

Bernardo disse que com a o pacote fiscal os investimentos do setor poderão voltar ao patamar atingido logo após a privatização, no fim dos anos 1990. Hoje, segundo ele, as empresas aplicam perto de R$ 17 bilhões e a meta é atingir R$25 bilhões de investimento ao ano.

"O faturamento no primeiro semestre das empresas foi de mais de R$ 100 bilhões e elas devem fechar o ano com um a arrecadação recorde", disse o ministro.



Escrito por Marta Martinz às 07h52
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Bolívia promulga lei que veta construção de estrada financiada pelo Brasil



Escrito por Marta Martinz às 07h49
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




E a máfia da privatização da saúde no Rio continua...

Clientes de cinco planos de saúde do Rio que necessitam de procedimentos cardiovasculares estão pagando pelo atendimento desde o início de agosto. A informação é da Cooperativa dos Cirurgiões Cardiovasculares do Rio Janeiro, entidade que representa os especialistas no Estado.

A alegação dos profissionais é que os honorários pagos aos médicos não são reajustados há oito anos. Sem conseguir negociar com as cinco operadoras alvo do boicote, a cooperativa garante ter convencido os 100 cirurgiões cardiovasculares que atendem em hospitais privados e filantrópicos do Estado a suspenderem o atendimento desde 8 de agosto, à medida em que os contratos com as operadoras fossem chegando ao fim.

De acordo com o presidente da cooperativa, Ronald Souza Peixoto, a decisão da categoria atinge os clientes do Bradesco Saúde e os usuários dos planos de autogestão do Bacen (Banco Central), da CAC- Cedae (Caixa de Assistência dos Servidores da Companhia Estadual de Águas e Esgoto), de Furnas e da GeapSaúde.

"Os atendimentos a estas cinco operadoras estão interrompidos e estamos atendendo aos seus clientes apenas em caráter particular", disse Peixoto, defendendo que o paciente que se sentir prejudicado deve cobrar o ressarcimento das despesas da gestora de seu convênio.

Segundo Peixoto, os cirurgiões exigem que os valores pagos às equipes médicas sejam reajustados de acordo com a tabela da Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular. Ele alega que, atualmente, as operadoras pagam cerca de R$ 1,5 mil à equipe de, em média, sete profissionais necessários à realização de uma cirurgia. O valor, segundo ele, é menor que o pago pelo Sus (Sistema Único de Saúde).

A cooperativa garante ter comunicado que suspenderia o atendimento ainda em junho deste ano, não só às operadoras, mas também aos órgãos regionais e federais de saúde. "Com 60 dias de antecedência nós informamos às empresas e às autoridades que suspenderíamos o atendimento caso os honorários não fossem reajustados a contento e os contratos renovados", explicou Peixoto.

As reivindicações dos profissionais fluminenses são semelhantes às dos cardiologistas paraenses, que esta semana suspenderam as cirurgias eletivas marcadas por usuários do PAS (Plano de Assistência dos Servidores Estaduais), o segundo convênio em número de usuários no Estado. A falta de reajuste nos honorários tem motivado a reação de cirurgiões cardiovasculares de outros 14 Estados, além de médicos de outras especialidades de todo o país.

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/987571-cirurgioes-suspendem-atendimento-a-convenios-no-rio.shtml



Escrito por Marta Martinz às 07h44
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




No Rio o modelo s´rdido de privatização e descaso é tão grande que não existe participação.

Em 21 EstadosMédicos param hoje unidades do SUS em todo o Brasil, exceto emergências

...

A paralisação durante toda esta terça-feira está confirmada nos Estados do Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Sergipe.

No Estado do Piauí, a paralisação vai durar três dias. Em São Paulo e em Santa Catarina, somente algumas unidades param e por poucas horas.

Em São Paulo, estão confirmadas paralisações nos hospitais Emílio Ribas, Hospital do Servidor Estadual e no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto. Em Santa Catarina, os médicos vão parar por apenas uma hora.

No Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio de Janeiro e Tocantins a rede não para --serão feitos apenas protestos e manifestações.

Com nome de "Movimento Saúde e Cidade em Defesa do SUS", as manifestações são organizadas por uma comissão composta por representantes do CFM (Conselho Federal de Medicina), da AMB (Associação Médica Brasileira) e da Fenam (Federação Nacional dos Médicos).

REIVINDICAÇÕES

Uma das pautas da mobilização é o reajuste dos honorários médicos. Segundo a Fenam, o salário-base médio de um médico no SUS é de R$ 1.946,91, variando de R$ 723,81 a R$ 4.143,67. O vencimento básico, que representa cerca de 50% do pagamento ao médico, deveria ser R$ 9.688, segundo cálculos feitos pela federação.

As entidades apontaram outra deficiência da rede pública: a queda no número de leitos normais e de UTI. Entre 1990 e 2011, o país perdeu cerca de 203 mil leitos no SUS, segundo dados apresentados pela comissão.

Aloísio Tibiriçá, 2º vice-presidente do CFM, relembrou o movimento dos médicos no mês passado, em defesa de melhores honorários nos planos de saúde, e comparou os dois sistemas --o público e o privado. "Os planos de saúde gastam 55% de toda verba em saúde para atender a 25% da população. E o SUS, que atende a 75% dos brasileiros, usa 45% do que é gasto em saúde no país."

"Com a mobilização queremos chamar a atenção das autoridades para a necessidade de mais recursos para a saúde, melhor remuneração para os profissionais e melhor assistência à população", afirma Tibiriçá.

SÃO PAULO

Para chamar atenção para o movimento, médicos vão "envelopar" com a bandeira do Brasil a sede da APM (Associação Paulista de Medicina), no bairro da Bela Vista, centro de São Paulo.

Depois, farão protesto na Assembleia Legislativa e na Câmara Municipal de São Paulo para denunciar as más condições de trabalho. Na rede estadual, salário é de R$ 1.700 e, na capital, de R$ 2.200 para 20 horas semanais.

Johanna Nublat, de Brasília, e Raphael Sassaki, colaboração para a Folha



Escrito por Marta Martinz às 07h40
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Planos do governo não estão funcionando, diz indústria

Representantes dos principais setores da indústria brasileira estiveram reunidos ontem, em São Paulo, para o Fórum Nacional da Indústria. O secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento, Alessandro Teixeira, participou do evento e foi pressionado pelos industriais. A avaliação geral dos empresários é de que o governo peca em sua política industrial ao deixar que "o tripé do mal", composto por câmbio, juros altos e tributos, comprometa a competitividade do setor.

"Parece um diálogo de surdo-mudo. Esse câmbio está matando e ninguém faz nada. A gente não devia ter vergonha de fixar um piso cambial, como alguns países desenvolvidos já fizeram", disse Luiz Aubert Neto, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). Na sua opinião, o Brasil teme assumir posicionamentos que comprometam a sua relação com a China, um dos grandes fornecedores de máquinas para o país. "O Brasil não quer brigar com o seu principal cliente, mas acaba protegendo de um lado e complicando do outro. O empresário sobrevive a isso, mas a indústria não", diz.

Para Marco Polo de Mello Lopes, do Instituto Aço Brasil, o câmbio desfavorável é um "problema natural" que o governo enfrenta, mas a medida urgente agora seria arrumar a casa. "A guerra fiscal prejudica a indústria e o ICMS é um problema. Pedimos mais envolvimento do Desenvolvimento e menos subordinação à Fazenda".

Paulo Roberto Butori, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Autopeças (Abipeças), avalia que ao câmbio desfavorável se juntam os juros altos e a pesada tributação, no que foi chamado de "tripé do mal". "O governo poderia ser mais pragmático em relação às medidas que garantem a competitividade da indústria. Nesse ponto a reunião foi inconclusiva." Para Neto, da Abimaq, os financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) são exemplo de como algumas políticas têm funcionado na indústria, mas planos como o Brasil Maior estão longe de trazer resultados conclusivos. "Esses planos não estão funcionando. Queremos competitividade e não há medidas que vão, efetivamente, ao encontro das nossas propostas."

Teixeira vê a situação da indústria como satisfatória. "As empresas estão nos procurando para investir e batemos recordes em exportação. A indústria não poderia estar melhor nesse cenário mundial". Ele discorda de que os empresários do setor industrial estão em um momento pessimista. "Crescer na faixa de 5%, considerando a atual conjuntura internacional, é 'muito positivo'."

Presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), Humberto Barbato aponta a desoneração de impostos para alguns setores como principal objetivo no diálogo com o governo. O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, concorda com Barbato. "O cenário econômico está pessimista e diminuir os impostos ajuda a mudar o padrão de crescimento da indústria. Ainda falta a desoneração de algumas cadeias produtivas", disse ele.

http://4mail.com.br/Artigo/ViewFenacon/010464043119099



Escrito por Marta Martinz às 07h35
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




PEC dos Recursos coloca Constituição Federal em jogo

Por Walter Alexandre Bussamara

Fomentada pela perene expectativa em face de uma mais célere e efetiva Justiça, nossa Magistratura, em peso, parece estar convicta quanto aos efeitos positivos a serem desencadeados pela Proposta de Emenda Constitucional que pretende modificar o atual modelo de execução das decisões judiciais proferidas.

Esta proposta, de autoria do presidente do Supremo Tribunal Federa, o eminente ministro Cezar Peluso, que vem sendo chamada de PEC dos Recursos, visa a tornar terminativas as decisões emanadas, ordinariamente, pelos tribunais de segunda instância, as quais já passariam a ser, desde então, exequíveis, sob o manto da coisa julgada. Com isso, os atuais recursos Especial e Extraordinário, previstos constitucionalmente (artigos 105, III, e 102, III, respectivamente), continuariam a existir, porém, sob uma renovada conjectura. Igualar-se-iam, assim poderíamos dizer, a uma espécie de Ação Rescisória, que se veria materializada já com o trânsito em julgado daquelas decisões ordinárias.

De fato, caso aprovada a alteração constitucional, em questão, a admissibilidade dos aludidos recursos não obstará mais, sem qualquer exceção, o trânsito em julgado das decisões que os comportarem[1]. Noutras palavras, estaremos diante de um encurtamento de fases processuais que, inobstante seja bem intencionado e provoque uma sempre desejada celeridade processual, trará um benefício, apenas, aparente. Esconderá, por trás, o tolhimento de um direito, ao menos em sua plenitude, fortemente consagrado em nosso Ordenamento Positivo, em meio a um cenário, com a máxima das vênias, desesperadamente maquiavélico, em que os fins justificariam os meios. 

Com efeito, atendo-nos ao capítulo constitucional condizente com os direitos e garantias fundamentais, percebemos com solar clareza a individualização, pelo legislador constituinte originário, de direito atinente ao exercício da ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes (art.5º, LV, CF), devendo a sua melhor hermenêutica ser sistematizada com a dicção dos já referidos artigos 105, III e 102, III da CF. Segundo os dispositivos, caberão os recursos Especial e Extraordinário, respectivamente, quando, em linhas gerais, depararmo-nos com decisões que afrontem uma dada lei federal ou a própria Constituição, sob uma circunstância, porém, obstativa do trânsito em julgado das referidas decisões.

Podemos verificar, então, a materialização, originária, em nível de supremacia constitucional, de direito individual condizente com a defesa ampla. No nosso caso, encorpada pelos citados recursos maiores, nos exatos moldes em que foram definidos pela própria Carta da República, com a inerente força de obstar o trânsito em julgado, nos autos, até as derradeiras apreciações das decisões que os alicerçam. Aliás, o julgamento dos aludidos recursos, a bem da verdade, condiciona a ocorrência da coisa julgada, sendo este o desenho constitucional do direito individual em apreço.

E por terem, tais recursos, sob a aludida circunstância, sido eleitos como remédios extremos pela Constituição, em confirmação axiológica ao próprio primado da ampla defesa, de sorte a assumirem verdadeiro status de direitos constitucionais fundamentais, não poderiam ser objeto de qualquer proposta de emenda que lhes viesse a suprimirsua própria eficácia. Esta manifestada no sentido de obstar, até seu julgamento final, a coisa julgada, ao menos, querendo-se ver respeitadas as determinações do artigo 60, parágrafo 4º, IV, daquela Carta, segundo as quais: “P.4º- Não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir: IV – os direitos e garantias individuais.”

Desta feita, estamos diante de limitação construída pela própria Constituição, que impede qualquer atuação, derivada, ameaçadora de direitos fundamentais que, originariamente, pretendeu erigir, interessando-nos aqui os relativos à ampla defesa e aos recursos extremos de competência das Cortes Superiores, na condição de verdadeiros óbices à coisa julgada.

Pensamos, então, que a nossa Constituição nos permite entender, sim, que o acesso aos Tribunais Superiores, sempre antes da decretação do trânsito em julgado em um processo, constitui-se em direito subjetivo fundamental das partes litigantes. E proteger esse direito equivale a preservar, em última análise, o magno sobreprincípio da segurança jurídica, em todas as vertentes do mundo fenomênico (tributária, penal, civil etc.), como corolário direto e mais relevante de um verdadeiro Estado Democrático de Direito.

Não se poderia conceber, de fato, qualquer justificativa de que o excesso de recursos, como os extremos, impediria a celeridade da prestação jurisdicional, mormente, quando estamos a tratar de direitos a recursos nascidos, convém repetirmos, no próprio bojo da Constituição. Ademais, a atual morosidade judiciária ultrapassaria, por certo, as fronteiras de qualquer comportamento abusivo relacionado à interposição dos aludidos recursos.

Antes, ainda, outras causas suas apareceriam, merecedoras de prioritária atenção dos detentores do Poder, com destaque às imensas formalidades burocráticas dos recursos atuais e à falta de maiores e mais programados investimentos financeiros e humanos dentro dos órgãos jurisdicionais.

Vários exemplos poderiam bem refletir um aprimoramento da máquina judiciária atual, tais como, a simplificação dos requisitos formais de admissibilidade recursal visando a um maior ganho de eficiência e segurança em todas as instâncias; a revisão dos privilégios fazendários, representados pelo prazo em dobro para recorrer, com o duplo grau obrigatório diante das sentenças que lhe sejam desfavoráveis; o fomento tecnológico programado e a todos acessível; a ampliação pessoal da capacidade de julgar e de apoio técnico; a adequação e capacitação físicas do ambiente de trabalho etc.

Ademais, também não podemos nos esquecer de que, no caso dos recursos extremos, inobstante as lacunas acima referidas, já são os mesmos dotados, de certa forma, de expedientes, de per si, propulsores de uma maior celeridade de tramitação. Com destaque aos institutos da “representatividade da controvérsia” (no recurso especial) e da “repercussão geral” (no recurso extraordinário).

Enfim, é a própria Constituição que está em jogo, permitindo-nos, sinceramente, desejar que o próprio STF, enquanto seu legítimo guardião, venha a melhor e, ainda em tempo, reavaliar a sua proposta de emenda à Carta das Cartas. É na intentio constitutiones que se deve assentar o almejado Pacto Republicano, onde, tanto a sociedade como o governo, devam sair vitoriosos na luta por um Poder Judiciário mais dinâmico e funcional.

Afinal de contas, os direitos constitucionais individuais não podem se constituir como “simples letras mortas” ou, como “meras recomendações”, apenas circunstancialmente integrantes do Texto Maior.



Escrito por Marta Martinz às 00h21
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O mercado de concentrado de urânio

A produção do combustível que alimenta as usinas de geração elétrica nuclear é feita em uma sequência de processos industriais que se inicia na mineração e no beneficiamento, que produz concentrados de urânio. Seguem-se a conversão do concentrado em hexafluoreto de urânio e seu enriquecimento (aumento da proporção do isótopo U-235 acima do teor natural). A fabricação combustível se dá pela reconversão do hexafluoreto em dióxido de urânio, produção de pequenas pastilhas cerâmicas cilíndricas desse dióxido e montagem mecânica dessas pastilhas nos chamados "elementos combustíveis", que são o produto final entregue à usina para carregamento no reator nuclear.

Por razões mais históricas do que técnicas ou econômicas, concentrado, conversão, enriquecimento e fabricação do combustível constituem mercados separados, com diferentes fornecedores atuando em cada um deles. As utilities nucleares compram concentrado, contratam sua conversão, em seguida contratam seu enriquecimento e finalmente contratam a fabricação do combustível. Concentrado, conversão e enriquecimento são commodities. Elementos combustíveis são produtos customizados.

A oferta no mercado internacional de concentrado de urânio é composta pela produção primária das atividades de mineração e beneficiamento de fontes secundárias. O beneficiamento, isto é, produção do concentrado chamado yellow cake, é feita sempre "na boca da mina" porque os minérios de urânio são tipicamente de baixos teores, não sendo viável economicamente o transporte do minério bruto. As fontes secundárias incluem excedentes em estoque acumulados por produtores e consumidores (empresas de geração elétrica nuclear), os estoques dos governos, urânio reciclado a partir de estoques do governo e diluição (downblending) do urânio militar russo altamente enriquecido (HEU).

Preço do concentrado no mercado spot para entrega imediata em 2010 foi de US$ 138,3 mil por tonelada, 40% maior comparado a 2009. Média dos preços dos contratos para entrega a termo foi de U$ 144,4 mil para U$ 135,5 mil no mesmo período, queda de 7%.

A indústria de produção primária de urânio é de âmbito internacional, com um pequeno número de empresas que operam em poucos países. De acordo com a World Nuclear Association (WNA) a oferta mundial de concentrado de urânio em 2010 totalizou cerca de 70 mil toneladas, dos quais aproximadamente 87% foi produzido por 10 empresas. Aproximadamente 93% da produção mundial foi proveniente de oito países, em ordem decrescente: Cazaquistão, Canadá, Austrália, Namíbia, Níger, Rússia, Uzbequistão e Estados Unidos.

Talvez o único uso pacífico do urânio é como combustível para geração elétrica. A demanda mundial pelo concentrado está, portanto, diretamente ligada à eletricidade gerada pelas usinas nucleares. De acordo com a WNA, em setembro 2011 existiam 440 usinas nucleoelétricas comerciais operando em todo o mundo, com uma potência de geração instalada total de 376,7 mil MWe, requerendo cerca de 90.000 toneladas de concentrado por ano. Estas usinas geram 14% das necessidades mundiais de eletricidade.

A tendência de aumento da construção e projeto de construção de novas usinas aumenta no mundo desde 2007. Dados da WNA mostram que em setembro de 2011, mesmo após o acidente de Fukushima no Japão, 62 usinas nucleares comerciais estavam em construção em 13 países, outras 155 sendo planejadas.

A tendência de aumento na demanda por concentrado como resultado da entrada em operação de novas usinas e do aumento dos fatores de capacidade das usinas já em operação poderia ser compensada, até certo ponto, pelo descomissionamento das usinas que atingirão o final de sua vida útil. Entretanto, o cenário de referência da previsão 2020 da WNA indica que a produção terá que aumentar substancialmente dos níveis atuais para atender os requisitos futuros.

Desde 1990, o consumo de concentrado tem ultrapassado a produção primária por uma diferença substancial. Esta lacuna de fornecimento tem sido preenchida pelas fontes secundárias. O déficit entre os requisitos mundiais de urânio e a produção primária é crescente e os estoques existentes e as demais fontes secundárias estão se esgotando.

 A maior fonte secundária é o acordo russo-americano "Megatons por Megawatts". Nesse acordo, que termina em dezembro de 2013, a Rússia faz o downblend de urânio de armas nucleares em urânio de baixo enriquecimento (LEU) para uso civil. A Rússia atualmente abastece o mercado mundial com 12 mil toneladas de urânio a partir deste programa. A Rússia, entretanto, já declarou que não renovará esse acordo e o programa se encerrará após esta data.

As empresas de geração elétrica nuclear garantem uma proporção substancial de suas necessidades de concentrado por contratos de médio e longo prazos com os produtores. Os preços desses contratos são estabelecidos por uma série de métodos, incluindo reajustes por índices de inflação, preços de referência e renegociações de preços anuais. Os contratos podem conter preços mínimos, preços máximos e outras disposições negociadas que definem o preço final a ser pago na entrega.

Com base em dados fornecidos pelo Ux Consulting Company LLC e TradeTech, principais consultores do setor, o preço no mercado spot para entrega imediata no final do ano de 2010 foi de US$ 138,3 mil por tonelada de concentrado, em comparação com U$ 98,8 mil ao fim de 2009, um aumento de 40%. A média dos preços dos contratos para entrega a termo no mesmo período foi de U$ 144,4 mil para U$ 135,5 mil, uma diminuição de 7%.

O Brasil tem a 7ª maior reserva de urânio do mundo, com cerca de 300 mil toneladas de concentrado equivalente asseguradas. Poderão se somar a cerca de 800 mil toneladas adicionais inferidas, que o tornariam a 1ª ou 2ª maior reserva mundial. Porém, o país não participa do mercado internacional.

O mercado nacional é simultaneamente um monopólio (um só vendedor) e um monopsônio (um só comprador), mas seus preços não são regulados. A produção brasileira de concentrado, monopólio da União exercido pelas Indústrias Nucleares do Brasil S.A. (INB), se limita a atender ao consumo interno de cerca de 400 toneladas por ano demandado pela Eletrobrás Eletronuclear S.A. para as recargas de Angra 1 e Angra 2.

A construção de Angra 3 aumenta a demanda em 840 toneladas para a fabricação de sua 1ª carga até 2015 e, a partir de 2016, 280 toneladas adicionais por ano para suas recargas. Mas a produção nacional não tem sido suficiente para atender a demanda nos últimos anos.

Leonam dos Santos Guimarães é doutor em engenharia, membro do Grupo Permanente de Assessoria em Energia Nuclear da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), e assistente da presidência da Eletronuclear.

(Valor Econômico)



Escrito por Marta Martinz às 00h02
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Bens coletivos
"As contradições do nosso tempo são gritantes: se todos os 7 bilhões tivessem o mesmo padrão de consumo das populações mais ricas, seriam necessários pelo menos três planetas para nos sustentar! Nesta equação da sustentabilidade, inovação é a palavra-chave. Não apenas na gestão das políticas públicas e na busca por novos modelos de manejo de bens naturais coletivos. Não apenas dos padrões de produção e consumo. É inadiável uma revisão dos padrões éticos que regem hoje a humanidade. É preciso que partilhemos de forma consciente a responsabilidade uns pelos outros. De alguma forma, já tateamos novos caminhos, como os que pontuam a economia criativa, os princípios do comércio justo e as alavancas do microcrédito, capazes de criar uma nova lógica onde antes tudo parecia impermeável", artigo de Aécio Neves - FSP, 24/10, Opinião, p.A2.



Escrito por Marta Martinz às 23h52
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Mudanças no clima já afetam litoral norte de SP
O aquecimento global já afeta o litoral norte de São Paulo. Além de elevar a maré, o fenômeno torna mais comuns eventos climáticos extremos. Catástrofes como deslizamentos e inundações deverão ocorrer com mais frequência na região. O alerta foi dado pela Rede Litoral, grupo que integra cientistas de diversas instituições no Estado. Paolo Alfredini, da Escola Politécnica da USP, analisou dados registrados desde 1944 nos marégrafos do litoral norte. Descobriu que a maré baixa tem crescido sete centímetros por década. Ele não tem dúvidas quanto ao papel desempenhado pelo aquecimento global nas transformações. E prevê, para o próximo século, uma taxa de elevação da maré de um centímetro por ano - OESP, 24/10, Vida, p.A20.



Escrito por Marta Martinz às 23h50
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Histórias da república dos amigos

Royalties para o futuro
"Morador da cidade de Macaé, que há 33 anos tem como principal atividade econômica a exploração do petróleo, vejo que poucos lugares neste país conhecem a verdade de uma sociedade baseada no hidrocarboneto. Fortuna e miséria convivem num mesmo espaço. O eldorado do petróleo não consegue tratar o esgoto da maioria da população. Água encanada ainda é um sonho de consumo de milhares de moradores, que vivem em risco sanitário e habitacional. Os empregos deveriam ser fartos, mas a falta de qualificação deixa os jovens à margem do mercado de trabalho, as oportunidades passam e fica a criminalidade. O elevado custo de vida obriga a invasão de áreas impróprias para habitação, enquanto outras são aterradas para abrigar galpões de novas empresas, configurando um desmando ambiental sem precedentes", artigo de Aluizio dos Santos Junior, deputado federal (PV-RJ) - O Globo, 22/10, Opinião, p.7.



Escrito por Marta Martinz às 23h49
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Adnews

PUBLICIDADE
Correios homenageia atletas brasileiros

Patrocinador dos esportes aquáticos brasileiros há 20 anos



Escrito por Marta Martinz às 23h43
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Plano Plurianual
Grandes cidades terão R$ 18 bi para investir em transporte público



Escrito por Marta Martinz às 23h24
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Relações Exteriores e Defesa Nacional

Comandante alerta para risco de produção de cocaína no Brasil



Escrito por Marta Martinz às 23h23
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Aqui abaixamos os impostos para eles...

Suíça deverá indemnizar os EUA por ajudar norte-americanos a fugir ao fisco

A Suíça quer encerrar uma queixa dos serviços de impostos norte-americanos pagando uma indemnização na ordem dos milhares de milhões de dólares e entregando o nome dos contribuintes em questão.  



Escrito por Marta Martinz às 23h21
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Ex-director de assuntos orçamentais do FMI

"Bancos não deviam poder comprar dívida pública"

O papel do sistema bancário, o grande responsável pela violenta crise financeira, tem de ser repensado. Alguns bancos deviam mesmo ter falido.  



Escrito por Marta Martinz às 23h07
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Merkel vai ao parlamento explicar as medidas para salvar o euro

A líder do Governo alemão vai hoje a Berlim explicar aos deputados da câmara baixa do Parlamento quais são as medidas que os líderes reunidos em Bruxelas propuseram para resolver a crise da dívida europeia.

...

Existem duas propostas de expansão do FEEF

Entretanto o porta-voz do Governo alemão, Steffen Seibert, confirmou que, sobre a mesa, existem duas propostas para alavancar o montante sob gestão do Fundo Europeu de Estabilização Finaceira (FEEF). As duas propostas não são mutuamente exclusivas, referiu o responsável, explicando que as duas podem ser implementadas em simultâneo.

O FEEF é o mecânismo criado para emprestar dinheiro aos países da Zona Euro que perdem o acesso aos mercados de financiamento. A sua dimensão, que actualmente é de 440 mil milhões de euros, poderá ser expandida, bem como as suas responsabilidades, possivelmente através da sua transformação numa espécie de seguradora e, simultaneamente, de uma maior associação do FMI . A Alemanha é o principal financiador do fundo. 



Escrito por Marta Martinz às 23h01
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Associação sindical dos juízes considera cortes na função pública "ilegais"

A Associação sindical dos juízes portugueses (ASJP) considera a medida dos cortes na função pública "injusta e violadora" da Constituição, afirmando que no limite poderá levar a uma crise do "sistema democrático", de acordo com um comunicado divulgado pela Rádio Renascença.  



Escrito por Marta Martinz às 22h36
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Suspensa vigência de decreto que alterou alíquotas do IPI sobre automóveis

Na última quinta-feira, o Plenário STF suspendeu a vigência do Decreto nº 7.567/2011, que aumenta a alíquota do IPI para automóveis importados e reduz a alíquota desse imposto para os fabricados no País. O decreto fica suspenso até que tenha transcorrido o prazo de 90 dias da publicação da norma. O Plenário, em apreciação da medida cautelar, suspendeu a eficácia do art. 16 do referido decreto, que previa a sua vigência imediata, a partir da publicação (ocorrida em 16 de setembro deste ano). Isso porque não foi obedecido o prazo constitucional de 90 dias para entrar em vigor, previsto no art. 150, inciso III, letra c, da Constituição Federal. Oito ministros entenderam que, por ser a vigência do decreto flagrantemente inconstitucional, a suspensão deve ocorrer desde a sua publicação. Já o relator, ministro Marco Aurélio, votou pela suspensão somente a partir do julgamento.



Escrito por Marta Martinz às 22h33
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




A divulgação da Declaração Política do Rio Sobre os Determinantes Sociais da Saúde, na sexta-feira (21/10), marcou o encerramento da Conferência Mundial sobre Determinantes Sociais da Saúde (CMDSS), realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no Forte de Copacabana, no Rio de Janeiro. A equidade em saúde e o acesso das populações a serviços, medicamentos e bens essenciais à vida - como alimentação, água potável, habitação e saneamento básico - são os pontos centrais da Declaração, assinada por governos de 120 países durante a maior conferência realizada fora da sede da OMS desde Alma-Ata, em 1978. SAIBA MAIS



Escrito por Marta Martinz às 22h11
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Foi a primeira eleição livre da história da Tunísia e a primeira realizada no mundo árabe desde 1950.
www.outraspalavras.net
Os tunisianos compareceram maciçamente para votar nas primeiras eleições livres da história de seu país e eleger uma Assembleia Constituinte



Escrito por Marta Martinz às 22h05
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Pois é...



Escrito por Marta Martinz às 14h58
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Veículo por habitante vai crescer 62%, planeja setor



Escrito por Marta Martinz às 09h30
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Distribuição de alimentos é desigual para toda a população do mundo



Escrito por Marta Martinz às 08h59
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Mais um ano e cá estamos prontos para mais uma saída pelas ruas da Gamboa com nossa Procissão de Todos os Santos pela Paz, evento artístico da Grande Companhia Brasileira de Mystérios e Novidades em sua 12ª edição!!!
Venham, tragam os amigos, crianças e adultos, para esta celebração da diversidade da Vida, do Amor, da Arte nas Ruas!!

 



Escrito por Marta Martinz às 08h52
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Governo abre edital para elaboração de planos de resíduos sólidos

 

 

 

O Ministério do Meio Ambiente e a Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano abriram, nesta sexta-feira (21/10), o Edital de Chamada Pública SRHU/MMA n.º 001/2011. A proposta visa dar apoio aos Estados, Distrito Federal, Consórcios Públicos e Municípios para a Elaboração dos Planos de Resíduos Sólidos. 



Escrito por Marta Martinz às 08h41
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Degelo no Ártico é quatro vezes maior que o previsto em modelo matemático do IPCC



Escrito por Marta Martinz às 08h36
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O impasse no clima e seus altos preços

Washington Novaes, jornalista. E-mail: wlrnovaes@uol.com.br - O Estado de S.Paulo

A pouco mais de um mês do início da próxima reunião da Convenção do Clima (na última semana de novembro), na África do Sul, o impasse continua total e os dirigentes da ONU já não escondem a certeza de que nenhum acordo importante será conseguido lá - embora os chamados "desastres naturais" (entre eles os provocados por mudanças climáticas) tenham atingido, segundo o Banco Mundial, 2,6 bilhões de pessoas no mundo na última década, ou 1 bilhão mais que na década anterior (Estado, 28/3). A média de desastres passou de 15 por ano na década de 1980-1990 para 370 na década seguinte e os prejuízos foram 15 vezes maiores que nos anos 50. Segundo a Oxfam (O Globo, 18/1), desde 1975 os "desastres naturais" (que incluem terremotos, tsunamis, etc.) já mataram 2,2 milhões de pessoas. Atualmente são 250 milhões atingidas a cada ano, que chegarão a 375 milhões em 2015.

Nos últimos 25 anos a temperatura média da Terra foi mais alta que a média do século 20. O ano passado, juntamente com 2005, foi o mais quente de todos tempos. Segundo a revista Scientific American (AP, 28/6), a relação entre mudanças climáticas e "eventos extremos" já não é apenas uma teoria, é um fato comprovado.

De pouco têm valido os apelos do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, ao lembrar que até 2060 a população da Terra será 50% maior que a de 1999 e levará a mais aumentos de emissões de gases poluentes - por isso será preciso reduzi-los já em pelo menos 50%. Mas eles estão aumentando: em 2010, conforme a Agência Internacional de Energia, chegaram ao recorde de 30,6 bilhões de toneladas de dióxido de carbono, 5% mais que em 2008. Segundo os cientistas, se as emissões passarem de 32 bilhões de toneladas anuais, será impossível impedir que a temperatura terrestre suba mais que 2 graus Celsius, mesmo com as reduções planejadas nas emissões até 2050. Entre 1990 e 2010, as emissões dos EUA aumentaram 5%; as da China, 10%; e as da Índia, 9%. As da União Europeia (UE) e da Rússia diminuíram 27% (Science Daily, 22/9. E o mundo ainda tem 1,3 bilhão de pessoas sem energia elétrica.

Os impasses na convenção não mudaram. Os países emergentes dizem que a obrigação de reduzir as emissões é dos países industrializados, que emitem desde o início da Revolução Industrial. Os países ricos dizem que sem os emergentes não adiantará nenhum acordo, porque eles já emitem mais que os industrializados. E o próprio Protocolo de Kyoto, que obriga os industrializados a reduzirem em 5,2% suas emissões, expira em 2012, sem que haja vislumbre de novo acordo. Com isso deixaria de vigorar o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo, que permite a uma empresa ou país industrializado financiar projetos que levem à redução de emissões em outro país e contabilizar esse ganho em seu próprio balanço. Já foram feitos cerca de 3 mil projetos nessa área.

A presidente Dilma disse na ONU que o Brasil espera avanços importantes em Durban, embora os cientistas digam que os impasses refletem os grandes conflitos econômicos entre as principais nações do mundo, agravados pela crise financeira. Quem vai investir em redução de emissões? Como destinar US$ 30 bilhões para os países mais pobres enfrentarem o drama do clima, e mais US$ 100 bilhões por ano até 2020, como foi acenado na reunião de Copenhague (2009)? Os EUA continuam emitindo 16 toneladas anuais de CO2 por habitante, ante 8,1 toneladas na UE e 6,6 na China. O Brasil, segundo o Banco Mundial e o consultor Nicholas Stern, entre 10 e 11 toneladas por habitante/ano.

Uma das consequências do panorama, segundo Ban Ki-moon (Independent, 22/9), é o avanço da desertificação no mundo: cerca de 40% das terras, onde vivem 2 bilhões de pessoas, já são áridas ou semiáridas. A cada ano são atingidos mais 12 milhões de hectares, onde poderiam ser produzidos 20 milhões de toneladas anuais de alimentos, para um mundo que caminha para ter 10 bilhões de pessoas. Já as chuvas intensas têm hoje 20% mais probabilidade de acontecer (Nature, em O Globo, 17/2). No Paquistão, nas últimas semanas, foram 270% mais intensas que as tradicionais, inundaram 73% das terras de cultura e atingiram 8 milhões de pessoas, 1,3 milhão de casas, deixaram 1,5 milhão de desabrigados e 220 mortos. No leste da Índia foram 4 milhões os atingidos, 150 mil desabrigados e 60 mortes. No Camboja, 141 mortos. Na Tailândia, 26 de 77 províncias sob a água e 28 mortes. E 42 milhões de pessoas tiveram de deixar suas casas em 20 anos por causa dos desastres. As seguradoras perderam US$ 36 bilhões no ano passado.

E tudo se pode agravar. Segundo a Organização Meteorológica Mundial, com o panorama atual a tendência é de que a temperatura da Terra suba 2,4 graus (já subiu quase 0,8) até 2020.

Pior de todas é a situação das ilhas do Pacífico, já enfrentando a elevação do nível do oceano e tendo de promover migrações e comprar áreas em outros países. Já decidiram ir à Corte Internacional de Haia pedir que os países industrializados sejam responsabilizados por isso e arquem com os custos (UN News Service, 23/9). A secretária da Convenção do Clima, Cristiana Figueres, tem dito (The Guardian, 10/10) que as empresas precisam contabilizar em seus custos os que decorrem de suas emissões de poluentes.

Não é preciso insistir na gravidade da situação brasileira, que já povoa as páginas dos jornais. Mas um estudo da Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental (setembro de 2011) diz que as temperaturas em várias regiões brasileiras vão subir de 2 a 3 graus, o índice de umidade vai cair e o índice hídrico terá uma "diminuição notável" até 2050. Em 2010, segundo a Agência Nacional de Águas, quase 20% dos municípios brasileiros decretaram estado de emergência ou de calamidade por causa de desastres climáticos.

Essa é a dimensão do impasse no mundo.



Escrito por Marta Martinz às 08h32
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Iniciativa privada vai gerir parques nacionais 
O governo resolveu que abrirá a gestão de parques nacionais e áreas de preservação ambiental para a iniciativa privada. Os ministérios do Meio Ambiente e do Planejamento assinaram ontem um acordo que permite a entrada de Parcerias Público-Privadas (PPPs) nas 310 unidades de conservação federais. A ideia é melhorar os serviços prestados aos visitantes. Dez parques foram escolhidos para serem pilotos: Tijuca (RJ), Serra dos Órgãos (RJ), Itatiaia (RJ), Jericoacoara (CE), Ubajara (CE), Sete Cidades (PI), Serra das Confusões (PI), Fernando de Noronha (PE), Chapada dos Guimarães (MT) e Lençóis Maranhenses (MA). Segundo a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, o governo não está privatizando os parques e sim modernizando a gestão dessas áreas, que penam com a falta de funcionários e de recursos - O Globo, 21/10, O País, p.12; FSP, 21/10, Ciência, p.C13. 



Escrito por Marta Martinz às 08h31
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Manchetes socioambientais

A chance dos Brics na Rio+20 
"Sem uma coordenação prévia, os Brics correm o risco de perder a janela de oportunidade para reformular o debate global sobre a sustentabilidade e reforçar o papel do combate à pobreza. Para que isso ocorra, o agrupamento deverá definir, de forma mais concreta, o conceito de economia verde, que busca conciliar a atividade econômica com o combate à pobreza e a preservação de recursos naturais. Os Brics precisam dialogar sobre estes temas de forma mais sistemática, encontrando posicionamentos comuns a tempo de articulá-los durante a Rio+20. Só assim a ideia de uma transição global para a economia verde sairá do papel", artigo de Adriana Erthal Abdenur - O Globo, 21/10, Opinião, p.7. 



Escrito por Marta Martinz às 08h30
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Movimento Occupy Wall Street já tem um mês de manifestações contra a crise econômica e ganhou o mundo. Veja grandes fotos dos protestos:http://migre.me/5YYwP



Escrito por Marta Martinz às 07h55
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 
Meu perfil
BRASIL, Sudeste, RIO DE JANEIRO, SANTA TERESA, Mulher, de 46 a 55 anos
MSN - lua682@hotmail.com
Histórico
Outros sites
  Luinha
  My facebook
  Du, Zé e Palê Zuppani
  worldexperience
Votação
  Dê uma nota para meu blog